31 dezembro 2008

Descansando em Deus

Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que Ele, em tempo oportuno, vos exalte, lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós.

(1ª Pedro 5:6,7 RA)





Como última postagem desse ano sobre relacionamentos, queria me deter hoje a um relacionamento que é a base para todo e qualquer relacionamento: o relacionamento com Deus.

Nas duas primeiras postagens falei sobre o relacionamento homem e mulher. Na primeira eu falei sobre a magia de acreditar verdadeiramente no amor. Sobre cada estágio, cada passo a ser tomado até o grande dia: o dia do casamento. Na segunda postagem, eu me detive aos três aspectos do amor, às três facetas: amizade, compromisso e desejo.

Nesta terceira postagem, a postagem de hoje, gostaria de me deter a conversamos sobre um relacionamento à três: homem, mulher e Deus. Mas, eu pretendo especificamente tratar de um relacionamento saudável com Deus. O que isso tem a ver com o relacionamento homem e mulher? É simples! Se não temos um relacionamento com Deus de dependência e obediência, não saberemos discernir sobre se o nosso relacionamento é da Sua vontade ou não. Recebi muitos e-mails e pessoas por meio do Messenger me perguntaram quase que a mesma coisa: “como eu sei que o meu namoro é da vontade de Deus?” ou “nós temos as três chamas, isso quer dizer que ela é a pessoa certa pra mim?”

Conversando com uma grande amiga minha, praticamente uma irmã pra mim, nós tivemos uma conversa sobre descansar no Senhor, conversa essa que me inspirou e desafiou a escrever sobre isso. A conversa dizia:

Xxx: Até entender 1ª Pedro 5:7, foi uma longa estrada. Porque praticar é difícil, porque confiar significa se entregar, descansar, estar em paz, tranqüilizar. Porque sabemos quem está no controle.

Sam: Entendo. Sabe, eu tenho uma definição melhor para descansar: dormir com a consciência tranqüila e sem preocupações...

Xxx: É, eu até consigo ficar tranqüila, mas comigo o que acontecia era tentar decidir, sem ter que esperar o momento certo, como se tudo dependesse de uma decisão minha... Dá para entender?

Sam: Entendo. Aí pedimos direção, conselho, opinião de todos: família, amigos, conhecidos, etc. E quando não temos mais nenhuma opção, mais ninguém para perguntarmos ou que nos dê uma resposta satisfatória, procuramos a Deus para saber o que Ele acha, não é isso?

Xxx: Exatamente.

A partir dessa conversa passei a pensar no assunto. Vivemos segundo a perspectiva de 1ª Pedro 5:7? Lançamos sobre Deus as nossas ansiedades, aquilo que nos preocupa? Que nos deixa sem sono? Se não fazemos isso nas nossas decisões mais básicas, imagina em uma das duas decisões mais importantes para o nosso futuro: “quem estará do nosso lado pelo resto das nossas vidas?”
Quando não aprendemos a descansar no Senhor, é entregar por completo tudo o que somos e temos, existe uma possibilidade grande e muito real de nos frustrarmos. Em Mateus 6:33, na versão RA, nós lemos: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Aqui nós lemos um mandamento com promessa. Se buscarmos a Deus em primeiro lugar, todas as outras coisas que precisamos serão conseqüência, inclusive a pessoa certa para termos um compromisso. Se nos agradarmos do Senhor, da Sua vontade, entregarmos o nosso caminho a Ele e confiarmos nEle, Ele colocará em nossos corações os desejos corretos e irá satisfazê-los todos, e tudo o mais Ele fará.

Confesso que escrever, definir é mais fácil do que viver. Por quê? Porque somos auto-suficientes. Tão simples como definir o esperar em Deus, é definir como nós somos. Somos ansiosos. Não conseguimos esperar sem saber “o final do filme”. Não conseguimos deixar Deus no controle das nossas vidas porque queremos que as coisas aconteçam bem rápido. Quer saber? Não é assim que as coisas funcionam. A Bíblia diz: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem.” (Salmo 127:1,2 RA). Não adianta você ficar ansioso, perder o sono por isso, “ir à luta”, “fazer acontece”, porque não é assim que funciona. Deus quer que descansemos nEle, que confiemos. Mas é descansar mesmo, ao ponto de dormir tranqüilo porque sabemos que o nosso Pai amado está cuidando do assunto. Quantas noites de sono nós perdemos pensando, atrás de soluções para os nossos problemas?

Temos dois salmos na nossa Bíblia que nos manuscritos hebraicos é um só salmo. Eles foram escritos pelos Filhos de Coré e fala sobre a verdadeira ansiedade. No Salmo 42, somos desafiados a ansiarmos por Deus assim como a corsa anseia por água, nossa alma deve ansiar por Deus. Que nossas almas devem ter sede do Deus vivo e de estar em Sua presença. Estes dois salmos, 42 e 43, que devem ser lidos como um só salmo, eles tem uma espécie de refrão, como se fosse uma música, um estribilho. Ele aparece no Salmo 42 nos versos 5 e 11 e no Salmo 43 no verso 5. Ele diz assim: “Por que está abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a Ele, meu auxílio e Deus meu.” Esta bela canção de confiança nos chama a não somente esperar em Deus, mas a louvá-lo pelo privilégio de esperar nEle, pois Ele é nosso Deus e o nosso auxílio.

Se não entendemos isso, não adianta passar pela paquera, namoro, noivado e o dia do casamento e nem tão pouco existir as três chamas. Esses são sinais de que a pessoa pode ser a pessoa certa, mas é da boca de Deus que vem a resposta (ver Provérbios 16:1). E como saberemos se não temos intimidade com Deus, uma vida cristã, e nem tão pouco confiamos e descansamos nEle? Como eu disse, as duas maiores decisões da nossa vida são sobre ao lado de quem estaremos o resto das nossas vidas e o que faremos pelo resto das nossas vidas. E Deus quem sabe todas as respostas e quer que confiemos nEle e descansemos na Sua vontade que é boa, perfeita e agradável e não muda (ver Romanos 12:1,2). Precisamos aprender a viver as nossas vidas buscando sempre a vontade do Senhor, porque Ele tem o melhor pra nós, tem as palavras de vida eterna. Não o aceitamos só como Salvador, mas primeiramente como Senhor. Em Lucas 9:23 nós lemos: “Todo aquele que quer vir após mim, negue-se a si mesmo, todos os dias tome a sua cruz e siga-me”. O nosso desafio é confiarmos as nossas vidas na mão do SENHOR, deixarmos de lado as nossas vontades, nossos desejos e decisões, nossas opiniões, e segui-lo, porque Ele é nosso Senhor e Salvador. Se entendemos a importância de colocarmos o nosso relacionamento diante de Deus, de buscá-lo em primeiro lugar e a Sua vontade, o resto é conseqüência. Ele colocará nos nossos corações o tempo, o momento de tomarmos a decisão de nos casarmos. E se aquela pessoa é a pessoa certa ou não. Descansar no Senhor não é delegar uma tarefa, que você confia a uma pessoa e fica prestando contas constantemente, mas é simplesmente repousar em pastos verdejantes, dormir sossegadamente, sabendo que o nosso Paizinho está tomando conta de todas as coisas. Tem coisa melhor do que isso?

RESPONDENDO AS PERGUNTAS DO EMAIL

Antes de postar, passo por email o texto que usarei no blog para que alguns amigos e conhecidos leiam, ou até mesmo colegas de trabalho, para que eles leiam e questionem. Devido às perguntas que recebi por email, achei que deveria respondê-las. Fica a vontade para também me escrever: samuelbribeiro@hotmail.com e terei prazer em responder por email ou por aqui, na próxima postagem.

Tipo assim, como é que tu acha que deva ser o namoro antes de você ter uma resposta de Deus? Tipo você está a fim da menina, ela está a fim de você... Aí como você sabe que é de Deus? Vai ter que orar e tal? Mas e aí, como proceder até saber?

É como eu falava lá em cima, a resposta certa vem dos lábios do Senhor (Provérbios 16:1). Sabemos que o coração do homem é enganoso (Jeremias 17:9) e não podemos confiar nele. Por isso devemos buscar a Deus em oração. Eu considero o período de oração como um pré-namoro e como tal deve se diferenciar do namoro. Muitos oram, buscam a vontade de Deus, mas enquanto isso continuam a alimentar um sentimento já existente. E se der disser não? Você deixará de namorar por causa disso? Já existindo um sentimento e havendo expectativas futuras em relação ao namoro? Acho que é preciso ir com calma. O versículo “não despertes o amor enquanto ele ainda não está pronto” (Cantares 2:7; 3:5; 8:4), não fala apenas do sexo antes do casamento, mas pode ser também interpretado como cativar algo que você não irá suprir. Como dizia a raposa ao Pequeno Príncipe: “você é responsável por aquilo que cativas”. Para não me estender mais, respondo: acho que antes da resposta de Deus deve haver um pré-namoro, um período de oração, primeiramente sozinhos e depois de serem direcionados por Deus, os dois juntos. Enquanto isso evitar alimentar qualquer sentimento. Depois que houver uma resposta clara de Deus, o namoro.

Ainda dentro do mesmo assunto, tipo às vezes também a menina nem está a fim, mas o cara vai falar e passa a rolar um interesse. Você acha certo o cara falar logo ou orar sozinho antes de falar com a menina?

Pois é, como eu comecei a responder lá em cima, acho que o primeiro passo é os dois orarem em separado. E sei que os amigos têm muita boa vontade em unir casais, mas isso muitas vezes atrapalha. Deixa eu explicar. Os amigos dão corda, você e a pessoa pegam corda, ou um dos dois pega, aí você já vai achar que ela ou ele é a pessoa certa pra namorar. Deposita todas as suas fichas nesse relacionamento, mas não sendo vontade de Deus você se frustra. No caso citado na pergunta, a pessoa nem quer, mas acha interessante quando você chega e vê uma possibilidade de namorar ao invés de estar só e vai e topa orar ou até mesmo namorar logo. Resultado: frustração futura. Acho que é legal quando se têm o apoio dos amigos, mas seria melhor depois que Deus já deu uma resposta. E essa “pressão” dos amigos estraga a melhor época do relacionamento: a paquera. Paquerar é notar o outro no meio da multidão. É notar alguém que sempre passou despercebido pra você. Mas se as pessoas pressionam você não a nota, mas mostram pra você. É como aquelas pessoas no aeroporto com uma plaquinha na mão, não tem como não ver. Ou seja? Antes de qualquer pessoa saber, bate um papo com Deus antes. Fala pra Ele o que se passa no seu coração, os seus desejos para com aquela menina, Ele sabe mais quer ouvir de você, e depois pergunta se é da vontade dEle ou não, se dará certo com a pessoa ou não? Entendido? Deus continue a abençoá-lo.

Anne e os olhos azuis
(Autor Desconhecido)

Anne era uma menina doce, adorável, cheia de vida, mas era triste por uma coisa: todas as suas irmãs tinham os olhos azuis, todos na sua casa tinham os olhos azuis, mas ela tinha os olhos castanhos. Todo dia ela perguntava por que não tinha os olhos azuis e sempre chorava. Certo dia, na Escola Bíblica Dominical, aprendeu que quando pedimos algo com fé, Deus ouve a nossa oração e responde. Ela passou o dia na igreja pensando nisso, querendo chegar à sua casa pra falar com Deus. Acabado o culto à noite, tão logo que chegou à sua casa, orou a Deus dizendo: “Paizinho, por favor, me dá os olhos azuis, me dá os olhos azuis...”. E orou assim por muito tempo, com aquela convicção que só criança tem. Orou, orou até pegar no sono...

No outro dia, já acordou gritando pela casa: “eu tenho os olhos azuis, eu tenho os olhos azuis...” e foi correndo para o banheiro olhar no espelho. Quando olhou a surpresa: seus olhos continuavam castanhos. Ela chorou muito e aprendeu outra lição preciosa: Deus não apenas diz SIM, mas também diz NÃO e ESPERE.

A menina Anne cresceu e logo se tornou uma mulher. Ela formou-se em enfermagem e foi à Marrocos, servir como missionária lá. A sua função era simples, mais do que salvar vidas, ela resgatava crianças. Ela se passava por marroquina e comprava as crianças do mercado escravo e lhes dava um lar e uma vida. Muitas crianças dessas seriam vendidas como escravas para trabalhar nas casas ou para serem abusadas. Então Anne lhes dava um lar, uma vida e falava de Jesus pra elas, dando-lhes chance de uma nova vida. Muitas crianças passaram a serem livradas da escravidão e muitas se converteram assim.

Certo dia, uma amiga da Anne lhe perguntou:
- Anne, todos na sua casa têm olhos azuis, mas você tem olhos castanhos, como lida com isso?
Ela respondeu:
- Sabe, já sofri muito por isso. Chorei, me desesperei. Um dia eu simplesmente resolvi aceitar e pronto. Ainda não entendo, mas hoje nem cabe a mim entender. Sou feliz e é isso o que importa.
Sua amiga sorriu e disse:
- Mas se você tivesse os olhos azuis não poderia ser missionária aqui em Marrocos...
Naquele momento Anne entendeu o ESPERE de Deus e que a Sua vontade era boa, perfeita e agradável.

Que Deus continue a nos abençoar e nos dê um ano de 2009 cheio de oportunidades de conhecê-Lo ainda mais, de esperar nEle e ainda louvá-Lo por isso, Deus nosso e auxílio! Até próximo ano!

24 dezembro 2008

As Três Chamas do Amor


Será que encontrei a pessoa certa? Essa com certeza é a pergunta de pelo menos 07 de cada 10 jovens beirando os 25 anos. E é uma pergunta vital e de fundamental importância. Tão importante do que saber qual a sua vocação, qual curso acadêmico escolher, mas isso é uma preocupação que veio antes, mais ou menos aos 16 anos. Mas essas são as duas perguntas que os jovens mais fazem: o que farei pelo resto da minha vida e quem estará do meu lado... E aqui não citei em ordem de importância, mas ordem cronológica. Acredito que a questão de “quem estará ao meu lado” é muito mais importante e fundamental que a primeira questão. Por isso estou escrevendo este artigo e não um artigo intitulado: “3 Passos para uma carreira brilhante”. Mas não, estou escrevendo sobre o amor, outra apologia ao amor.

Sempre nos perguntamos se encontramos a pessoa certa. Em como reconhecer se é “aquela pessoa” ou não. No estudo passado começamos a discorrer sobre isso e depois da repercussão do artigo passado, tive que pensar em como dar continuidade sem perder o nível do primeiro artigo. Comecei a pensar em sobre o que eu escreveria e vendo o vídeo do Pr. Rob Bell, líder da Mars Hill Church, do Projeto Nooma, que é uma série produzida por este pastor, que tem por nome “Nooma 002 – Flame” e que eu coloquei no final da última postagem, pensei: “é sobre isso que eu quero escrever”.

O vídeo fala sobre as três palavras existentes para o amor no hebraico, assim como também no grego, tendo nas duas línguas um sentido muito parecido. Hoje me deterei apenas ao Hebraico. As três palavras usadas para amor, bem presentes em Cantares de Salomão, que é uma defesa ao amor de um homem e de uma mulher e não de Cristo e da Noiva, são: raya, ahava e dod. No texto a seguir estarei discorrendo sobre isso, tendo acrescentar ao muito que o Pr. Rob Bell já nos informa em seu vídeo. Graça e Paz!

AS TRÊS CHAMAS DO AMOR
(Adaptado de Nooma 002 – Flame, que é uma série produzida por Rob Bell, líder da Mars Hill Church)

No meio da Bíblia há uma coleção de poemas hebraicos de amor, algumas vezes com uma linguagem explícita e adulta, que jovens judeus não podem ler até atingirem certa idade. Cantares de Salomão nos dá uma série de imagens do relacionamento entre homem e mulher. A alegria, o conflito, a contentamento e a perplexidade. É como se o amor que esse casal explora tivesse vida própria. Lemos várias vezes: “não despertes o amor enquanto ele ainda não está pronto", nos dando a entender: "seja o que for, é tão bom, é tão lindo, por isso não podemos e devemos fazer nada para estragá-lo".
Nós usamos e abusamos da palavra "amor". Dizemos em qualquer situação e para qualquer pessoa. E como é inconstante. Uma hora amamos outra hora queremos estar longe. Amamos a "pessoa certa" sem ao menos saber se é "a pessoa certa". E a amamos da mesma forma que amamos uma roupa, um computador, um carro ou algum outro objeto. É o mesmo tipo de amor? Ou intensidade?

É bom salientarmos que o livro de Cantares foi escrito em hebraico e que tem três palavras pelo menos que correspondem ao nosso "amor". É aqui que começamos nossa viagem sobre o amor. Bem-vindo a bordo e aperte o cinto. Será uma longa e enriquecedora viagem.

1) “raya” - amizade
Esta palavra tem a ver com a amizade. Remete-nos a pensar primeiramente na pessoa certa como um(a) amigo(a) ou melhor amigo(a), companheiro(a). Alguém que contamos sempre e que sempre nos acompanha. Alguns traduzem como alma gêmea. E aqui cito o termo não fazendo alusão ao termo do espiritismo, mas ao fato do “completar”. É aquela pessoa que nos completa.

Por meio do uso dessa palavra, vemos que no núcleo da relação entre o homem e a mulher de Cantares há uma amizade

2) “ahava” - compromisso
A segunda palavra usada é ahava, que quer dizer um afeto profundo, o desejo de estar tanto com alguém que dói no seu coração. É quando sua mente e o seu coração se voltam para "a pessoa escolhida", com tal paixão e intensidade que você não pensa em mais nada; é querer estar ao lado dele ou dela mais do que em qualquer outro lugar do mundo; é não querer outra companhia, mas apenas estar acompanhado dessa pessoa. É mesmo estando em meio a uma multidão só procurar por aquela pessoa. É o amar propriamente dito. Não apenas só uma amizade, mas vai muito mais além disso. É tomar uma decisão de unir-se à outra vida, pois amar é isso, é uma decisão. O "ahava" não tem fim, faz tudo durar.

Lembro de uma história de um senhor que sempre visitava a esposa no asilo em que ela morava. Ela sofria de Alzheimer e antes de perder a lucidez ela optou por morar lá, para não ser um peso para o marido. Ele lutou contra isso, mas não quis contrariá-la. Este homem passou a visitá-la todos os dias e nunca se atrasava. Até mesmo quando toda a lembrança dela se foi em relação a ele e as muitas décadas de casados que eles tinham, ele continuava a ir. Certo dia, por um contratempo, se atrasou. Ao chegar ao asilo, com o semblante entristecido pelo tempo que perdeu que poderia estar com ela, a enfermeira o acalma e diz: “mas ela nem lembra quem é o senhor”. Ele sorri e com ternura responde: “mas eu sei quem ela é.” Isto é o “ahava.” É mais, muitos mais que um relacionamento fugaz ou superficial e muito mais que anseios temporários. É um comprometimento total.

3) “dod” – desejo
É o elemento físico e sexual de um relacionamento (em grego é a palavra "Eros"). Na frase citada no começo, “não despertes o amor enquanto ele ainda não está pronto”, o amor em questão é o “dod”. Mais vai muito mais além de um desejo físico, mas é desejar acima de qualquer coisa embaixo dos Céus e na Terra. É como uma vez eu escrevi: “Poderia ouvir milhões de sonetos, versos e prosas, as mais lindas declarações de amor, das mais diversas pessoas, mas se não for de você são só meras palavras, sem nenhuma importância, não equivale a nem um ‘oi’ seu.”

É desejar em pessoa em todos os sentidos e aspectos. Seja de maneira sexual como também de outras formas. É envelhecer, chegar aos 90 anos, e a pessoa que está ao seu lado ainda é e sempre será a mais linda, mais agradável, mais simpática e etc. Por que todos acham isso? Não, porque você acha, pois essa pessoa tem o seu desejo, em todos os sentidos.

As Três Chamas

De uma maneira simples? Imaginemos cada “característica” do amor ( raya, ahava e dod) como uma chama. Todas as chamas se combinam em uma só, fazendo um só fogo queimar. As três chamas foram feitas para queimarem juntas, nunca separadas. Se não entendemos isso não irá durar e não é o amar, a decisão que Deus espera. Imagina um relacionamento entre um homem e uma mulher que tem amizade (raya), mas sem compromisso (ahava) e sem desejo (dod)? Ou que tem amizade (raya), compromisso (ahava) e nenhum desejo? Ou só tem desejo?

O tornar-se uma só carne é muito mais que um ato físico, é emoção, corações unidos, mentes e experiências. É uma completar de almas. Essa união física torna-se uma imagem de uma profunda realidade espiritual. Não é algo temporário, mas feito pra durar. E é necessária que as três chamas existam.

Imagina um namoro que só desfruta do "dod", mas não tem "raya" ou "ahava”. Prazer sexual sem amizade, sem compromisso? Não há lealdade e nem sacrifício? A pessoa se sente vazia, insegura, insatisfeita, usada. Ou pessoas que possuem o "ahava", mas nada mais. Tem compromisso, mas não existe amizade ou desejo... Ou são só amigos e nada mais.

RESPONDENDO AS PERGUNTAS DO EMAIL

Antes de postar, passo por email o texto que usarei no blog para que alguns amigos e conhecidos leiam, ou até mesmo colegas de trabalho, para que eles leiam e questionem. Devido às perguntas que recebi por email, achei que deveria respondê-las. Fica a vontade para também me escrever: samuelbribeiro@hotmail.com e terei prazer em responder por email ou por aqui, na próxima postagem.

Depois de tudo isso, percebendo a existência das três chamas, Deus mostrando por meio de sinais, o que ainda precisa?

Não sei responder. Porque não sei que tipo de sinais você pediu ou como você interpreta os “sinais já mandados por Deus”. A grande verdade é que somos bem complicados. Complicamos aquilo que é fácil e deixamos de lado o que foi difícil e Deus permitiu que fosse “solucionado”. Para mim a principal dificuldade é a questão da compatibilidade das três chamas existirem. As demais coisas, Deus está no controle, Ele direcionará.

O que indica se devo casar ou não? É conseguir comprar tudo? Ter um ótimo emprego? Como Deus nos mostra? E se Deus confirmar e depois surgirem crises?

Está bem, vamos por partes. Uma coisa de cada vez.
Hoje queremos casar com tudo pronto, tudo arrumado. Não estou aqui fazendo apologia a casar de qualquer forma, de dar murro em ponta de faca. O que estou dizendo é que queremos casar com tudo: casa ou apartamento, totalmente mobiliado com o que tem de melhor; carro; o melhor emprego de todos. Nós dizemos: “vou dar tudo o que os pais dela sempre deram pra ela ou mais.” Está bem, é uma preocupação válida e até correta. Mas você já parou para pensar que a vida que os pais dela têm demoraram uns dez, quinze, vinte anos para construir juntos?
Como eu disse anteriormente, complicamos o que é fácil. Não complique as coisas que deveriam ser fáceis. Você achou a pessoa certa, a conquistou, Deus confirmou por meio de oração antes do namoro, tudo que você pediu de confirmação de Deus antes do namoro, foi confirmado. O que ainda falta?
Sei, existem as crises... Certo, aí surgem as crises durante o namoro, e sempre surge, você joga tudo a perder e passa questionar a Deus? Mesmo depois de tudo o que Ele falou e mostrou?
Vamos pensar: A “raya” (amizade) já existe, é seu melhor amigo ou amiga, é o seu ou a sua confidente... A “ahava” (compromisso) também existe, pois você não imagina estar do lado de outra pessoa se não dela; não quer estar em nenhum outro lugar, seja qual momento for... A “dod” (desejo) já existe, mesmo estando adormecida a maioria das vezes e é o melhor, pois existirá um momento para isso e podemos demonstrar o desejo de outras formas não físicas, pois vale a pena esperar até o casamento...
O QUE AINDA FALTA? Uma casa de frente para o mar? Um apartamento na cobertura? O carro do ano? Isso não irá definir o que você sente pela pessoa ou quão disposto você está em se comprometer com ela. Quero dizer, devia haver um anseio do nosso coração ao achar a pessoa certa de estarmos o mais rápido possível ao seu lado para sempre. Por que então adiamos tanto priorizando outras coisas?


Qual a sua visão para tudo isso? Sobre achar a pessoa certa...

Posso ser meio romântico, bobo até, mas imagino construindo a minha vida ao lado da minha esposa. Vendo em cada pequeno detalhe do nosso lar com a nossa cara (e aqui digo lar porque tem muitos que tem uma boa casa e um bom “apê”, mas não um lar). Algo que nós sabemos e percebemos que construímos juntos. Hoje vivemos a idade da auto-suficiência. Claro que Deus pode todas as coisas e claro que podemos casar já com todas ou a maioria das coisas, mas eu conheço casais que já namoram há muito e muitos anos, que ainda não casaram porque não tem tudo ainda, e acabam queimando etapas e desfrutando de algo que foi separado para o casamento: o sexo.
Minha avó sempre diz: “filho de Deus tem que casar cedo para evitar algumas coisas” e ela está 100% certa! Porque já temos a “raya” e a “ahava” e estamos no tempo de casar, mas adiamos, adiamos e a “dod” entra em ação antes do tempo. Mais uma vez: “Não despertes o amor enquanto ele ainda não está pronto”.

Concluindo...
Desculpem-me o desabafo, mas conheço casais que tem a faca e o queijo na mão e que se acomodaram no namoro. Moram perto, se vêem todos os dias e quando querem. E sabe o que eu tenho visto? Ou já se permitiram desfrutar de algo reservado para o casamento, ou continuam eternamente o namoro, levando com a barriga... Meu irmão, minha irmã, isso é errado, é defraudar! Não é o que Deus tem pra você. Não sei a receita certa para o “sucesso no casamento”, mas eu sei para o insucesso.
Se já passou do tempo de casar, case! Se não há propósito no seu coração de casar, termine o namoro! Se há no seu coração o desejo de casar com uma pessoa e no coração dessa pessoa também existe o mesmo propósito, por que não se colocar diante de Deus e pedir condições para poderem se casar? Por que vivemos eternamente preso a nossa “vida de solteiro”? Chegamos a uma idade que devemos cortar de vez o outro cordão umbilical. O primeiro é cortado ao nascermos, o segundo deve ser cortado ao casarmos. Vivemos presos aos nossos pais, não nos colocamos diante de Deus com as nossas individualidades... Passando a responder pelos nossos erros e acertos, nossas escolhas... a viver de acordo com o que Deus tem pra nossas vidas... Enfim... Não quero me alongar mais, outro dia me dedicarei apenas a este tema, que tantos jovens conversam comigo...
Jovens cristãos, eu os desafio a tomarem uma postura: busquem de Deus a pessoa certa para casar e não alguém simplesmente para você ter ao seu lado, passando um tempo. Se você tem essa pessoa e ela desperta em você as três chamas, não apenas uma ou duas, mas as três, e você vê como alguém enviado de Deus, case ou busque em Deus condições para casar. Ele te honrará neste sentido. Porque vai que Deus já te confirmou a pessoa e tem te mostrado que é tempo e que Ele está a frente, mas você continua a pedir sinais, porque você mesmo não sabe o tempo certo para casar ou tem medo.
Como um bom presbiteriano, creio que Deus é Soberano nisso e que devemos confiar na Soberania dele. Mas não devemos usar isso como desculpa. Não creio que você perderá “a pessoa” por “esperar um pouco mais”, porque a vontade e o tempo de Deus não muda, mas com certeza criará traumas a serem tratados mais tarde...
Que Deus continue a abençoá-los! Amém!

Te amo apenas...
(Samuel Ribeiro, adaptado do Poema da Despedida de Patch Adams)

Eu te amo sem saber como, nem quando e nem onde...
Como? Porque simplesmente é inexplicável o que eu sinto, tão intenso, tão puro, tão verdadeiro...
Quando? Quando percebi que não havia mais ninguém e nem porque olhar pra outro lugar que não fosse do seu lado, junto com você...
Onde? Não importa onde, porque eu te amo e isso é mais importante que o nosso endereço, basta somente estar ao seu lado, que onde eu quero estar pra sempre.
Te amo simplesmente, sem complicações, nem orgulho... Assim te amo porque não conheço outra maneira...
Tão profundamente e tão perto, que tua mão em meu peito é a minha. Tão profundamente e tão perto, que quando fecho os olhos contigo eu sonho. Eu te amo tanto, nem mesmo eu sei...



* em tempo: essa adaptação foi feita do Soneto VXII de Pablo Neruda.

01 dezembro 2008

Uma Defesa ao Verdadeiro Amor

Perguntaram-me essa semana se eu ainda acredito mesmo em romantismo, em amor à moda antiga... A pergunta foi: “vale mesmo a pena se apaixonar?” E eu fiquei pensando nisso por horas... Será que ainda existe romance, amor à moda antiga? Será que vale mesmo a pena se apaixonar?

Enquanto eu pensava na resposta, muitas coisas me vieram à mente: jantar a luz de velas, caminhar à beira mar, observar o pôr-do-sol juntos, ver filme... Sair... Sabe, você saber que tem aquele ombro pra encostar a sua cabeça nos momentos de choro ou aqueles braços nos momentos de alegria.... O nervosismo antes de encontrar-se com ele ou com ela... O frio na barriga, moleza nas pernas... Aí lembrei o que era o melhor: a paquera...

PAQUERA


Nossaaa é a melhor época... Você não sabe se ele ou ela vai ligar... Vai pra casa da pessoa morrendo de vergonha ou marca em algum lugar com os amigos e fica o tempo todo olhando pra porta esperando a hora da pessoa chegar... Aí, marca uma programação na casa de alguém que normalmente é ver filme ou jogar algum jogo do tipo Imagem & Ação... No filme, por exemplo. Você fica constantemente olhando pra pessoa e quando ela olha de volta, você rapidamente volta a ver o filme, mas segundos depois olha de novo e a surpresa: a pessoa continua olhando e sorri pra você e você sorri de volta... Ou se você senta do lado, nem olha pro lado que ele ou ela está... Quando vai pegar a pipoca, que no mesmo momento a pessoa também pega, fica sem jeito porque a sua mão pegou na mão dele ou dela... Aí começa o namoro...



NAMORO



Finalmente você cria coragem e pede a pessoa em questão em namoro. Aliás, nós né? As meninas só precisam dizer sim ou não. E começamos a namorar. Todos querem saber do primeiro beijo e os dois, constrangidos, ou não dão ou não falam que deram... E não é porque você tem a certeza de que a pessoa está do seu lado e que quase todos os dias vocês se verão, que o nervosismo passa... Como é bom sentir aquele frio na barriga e na espinha... como é bom... A mão sua, as pernas tremem... Você marca no calendário os dias que vocês fazem mês e sempre procura uma forma de surpreender a pessoa. Cada dia passa e o que você sente por ele ou por ela só aumenta... Todos passam a se referir a você como o “fulano da fulana” ou “a fulana do fulano”... Se você vai a algum local e a pessoa não vai junta, todos estranham... Até você mesmo estranha... Falta algo, sabe? Você entende o porquê de não consegue mais ficar um minuto longe, nem um segundo sequer... Então cai a ficha: é a pessoa certa!!! Logo, vamos para o nosso próximo passo: noivado e o dia do casamento...



NOIVADO e O DIA DO CASAMENTO



Ainda não posso falar sobre isso com profundidade, pois sei mais teoria do que prática. Espero um dia escrever sobre isso com autoridade :D Então, vou transcrever ainda dentro do meu pensamento antes de dar a resposta para a minha inquisitora. Fiquei imaginando como seriam os dias antes de casar... Tudo preparado para o casamento. Na verdade tenho uma grande curiosidade sobre as últimas horas e espero um dia escrever sobre isso... O que passa na cabeça da pessoa na última noite antes de casar? Bem, vou relatar o que se passa na minha hoje... Penso no nervosismo, na ansiedade... Penso em eu indo à casa dela e subindo a lateral da casa até chegar à sua janela (bem de filme) e batendo... Ela abre assustada e pergunta o que foi, se aconteceu algo... Eu olho pra ela, dentro dos seus olhos e digo: “Só queria dizer que eu amo você. Que não há um dia sequer que não fui feliz ao seu lado. Sou eternamente grato a Deus por ter te colocado na minha vida. Eu espero ansioso para tê-la como esposa.” Dou um beijo em sua testa e vou pra casa dormir. No outro dia, o grande dia. Se já esperamos por elas todos os dias do namoro, porque seria diferente no dia do casamento? Mas enfim chega a grande hora... ela vai entrando na igreja, ao som da música de vocês e tudo, tudo vem a sua cabeça: os momentos de paquera, o namoro, o noivado e as últimas horas antes de casar... Tem algo melhor do que isso?



Talvez você me diga: “mas Samuel, você esqueceu-se de citar os momentos tristes, tensos... as brigas, os questionamentos... É não citei eles mesmo não. E não é que eles não existam, porque eles existem sim. Aprendi que um relacionamento é como um álbum de fotografias. Nunca vemos num álbum as fotos dos momentos ruins, mas isso que não quer dizer que só porque nas fotos só existam os momentos bons que os momentos ruins não estejam lá. Eles estão, pois é um momento ruim que nos leva de um momento bom pra outro. Eles nos ensinam, nos faz amadurecer e crescer. O relacionamento é uma eterna renuncia e um eterno ajuste. É dar mais do que receber. É cuidar, zelar. Nossa como eu demorei pra aprender isso. Como eu demorei... A Bíblia nos diz que na famosa passagem do amor assim: “O amor é paciente, o amor é bom. Não é invejoso, nem vaidoso e nem orgulhoso. Não é inconveniente, não é egoísta, não se irrita facilmente e nem é rancoroso. O amor não fica feliz com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Está disposto a sofrer, crer, esperar e suportar tudo o que vier. O amor jamais acaba.” (1ª Coríntios 13:4-8 Paráfrase)



Siimm, sobre a pergunta que me foi feita. O que eu respondi? Eu disse: “É claro que sim! Quero envelhecer ao lado de alguém, compartilhar minha vida com ela. Chegar aos meus 90, 100 anos ainda louco e apaixonado por ela...” E eu sorri. E olhando esse casal que ilustra a nossa reflexão de hoje, eu te pergunto: “Tem algo melhor do que isso?”



Rod Bell: As Três Chamas do Amor

http://br.youtube.com/watch?v=liGOzZiq-2g

12 novembro 2008

FAZENDO VALER A PENA

Chamado Para Servir “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão.” (1ª Coríntios 15:58)

Quando Paulo escreveu a primeira epístola à igreja em Corinto, igreja esta fundada por ele em sua segunda viagem missionária, Paulo estava na cidade de Éfeso, em sua terceira viagem missionária. Ele não tinha a intenção de propor um tratado teológico, mas responder questionamentos feitos pela igreja em Corinto, para tratar de vários e sérios problemas que estava perturbando a vida desta igreja. A igreja de Corinto estava dividida, e nela havia questões de doutrinas e a respeito da vida cristã. A carta, em sua maior parte de caráter prático, trata de problemas espirituais e morais. É um livro didático de teologia pastoral. As questões eram as mais variadas como insubmissão, falta de reverência, questões relacionadas a prática sexual, o relacionamento entre homem e mulher na igreja, leis sobre alimentos, o dom de línguas, a ressurreição dos mortos, dentre outros assuntos. Alguns destes problemas envolviam desafios contra a autoridade de Paulo.

Nas duas epístolas escritas à igreja em Corinto, além de tratar os assuntos questionados pela igreja, Paulo também defende a sua autoridade apostólica, que estava sendo posta em dúvida pelos seus adversários. E isto não era algo isolado, mas um problema que Paulo sempre enfrentou, devido o seu passado de perseguidor e o fato de não ser reconhecido como um apóstolo.

Paulo passou de inimigo dos cristãos pelo seu zelo pela lei à um advogado incansável do evangelho. Passou de perseguidor a perseguido. Em sua viagem a Damasco, Jesus chamou-o para uma obra que ele havia sido preparado: anunciar as boas-novas aos gentios. Ele passou a ser ameaçado de morte pelos judeus. Não foi visto com confiança pelos cristãos. Foi abandonado por muitos em seu ministério. Foi preso, passou a viver em cárcere por dois anos, mas continua seu ministério por meio das cartas. Foi solto. A prisão não o fez desanimar, ele continuou seu ministério por três anos. Novamente foi preso e depois foi morto.

Em momento algum do seu ministério ele esmoreceu. Continuou a estudar a palavra de Deus, escrever cartas e pregar o evangelho, defender a fé cristã. Ele permaneceu até o fim firme, inabalável e sempre abundante. Algumas de suas frases e conselhos tornaram-se memoráveis:

"Esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus."

(Filipenses 3:13b,14)

"Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé."

(2ª Timóteo 4:7)

No capítulo 15 da 1ª Epístola aos Coríntios, motivo da nossa meditação desta noite, Paulo trabalha a questão da doutrina da ressurreição. Ele nos fala da importância da ressurreição de Cristo Jesus, e aproveita em meio aos relatos dos que viram o Jesus ressurreto para testificar o seu apostolado. Fala também sobre as conseqüências de negar a ressurreição e a esperança cristã: que teremos nossos corpos ressurretos e a vitória do cristão por meio de Cristo. Aí finaliza o capítulo com a maravilhosa afirmação: “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão.” (1ª Coríntios 15:58).

Este versículo em especial é o motivo da nossa reflexão de hoje. Mesmo Paulo passando por todo tipo de dificuldade e privação, em todos os sentidos, como foi mencionado acima, ele admoesta a igreja de Corinto, chamando-os a viverem de maneira firme, inabalável e sempre abundante na obra no SENHOR.

Hoje eu gostaria de maneira breve refletir sobre isso. Todos nós somos chamados para um propósito específico: propagar as boas-novas. Que, independente de como somos vocacionados, todos somos chamados. Outra coisa que temos em comum é que passamos por diversas coisas em nossos ministérios. E Paulo de maneira brilhante nos dá conselhos para que possamos permanecer fiéis ao chamado dado por Deus para nós, pois somos chamados a ser verdadeiros discípulos.

Como nós, verdadeiros discípulos fazemos valer a pena?

EM PRIMEIRO LUGAR

Sendo firmes na obra do SENHOR:

(Não fugindo ao propósito)

Gostaria aqui de destacar FIDELIDADE AO CHAMADO MINISTERIAL.

Meus irmãos somos chamados a ser, permanecer firmes ao chamado que Deus nos deu e aos Seus propósitos, sem nos desviarmos daquilo que Ele tem pra nós. Não é sermos firmes um tempo apenas ou só a alguma coisa, mas sempre sermos firmes, todos os dias e em todo tempo. Sermos firmes àquilo que fomos chamados a fazer. Estou cansado de ver “pastores e pastores”, “ministros e ministras de música”, que negociam princípios e valores e até mesmo a “fé”. Em Ezequiel 34:1-11 nós lemos sobre os falsos pastores, os pastores infiéis, que estavam preocupados somente com a lã e a gordura e estavam esquecendo-se de apascentar o rebanho, fortalecer as ovelhas fracas, curar as doentes, de cuidar das feridas, de trazer de volta as desgarradas e procurar as perdidas. Que só se preocupavam consigo mesmos e com as suas necessidades. Deus fala que Ele tirará destes pastores o Seu rebanho e Deus mesmo as apascentará.

Quantos pastores, ou melhor, profissionais da fé temos assim em nossas igrejas? Que só se preocupam com que proveito eles tirarão do evangelho. Meus irmãos, se você está numa igreja ou missão, só preocupado em ter seu nome em evidência e tirar proveito do ministério pra se promover, CAIA FORA! Se quer apenas tirar proveito da obra do SENHOR, CAIA FORA! A obra do SENHOR precisa de homens e mulheres realmente chamados e dispostos a servir, a cuidar da missão, da vocação que Deus colocou em nossas mãos.

O desafio: Sejam firmes na obra do SENHOR.

EM SEGUNDO LUGAR

Sendo Inabaláveis na obra do SENHOR:

(Não sendo abalados por nada)

Gostaria aqui de destacar PERSEVERANÇA NO CHAMADO MINISTERIAL.

Aqui nós somos chamados a não nos abalarmos com as adversidades que temos passado. Quantas vezes nos pegamos desanimados por questões do nosso ministério? Com pessoas que não se importam com o andar da igreja? Com a questão de sempre ser difícil fazer trabalhos na igreja e principalmente fora dela? Isso acaba por nos desanimar e por isso nos sentimos tentados a querer apenas nos omitir, para não nos frustrarmos ainda mais. Pensamos: “como seria bom pelo menos por um domingo sentar no banco da igreja e só receber. Não me preocupar com mais nada. Apenas chegar ao culto, assistir e ir pra casa”. Quantas vezes pensamos assim?

Em Filipenses 4:11-13, aprendemos por meio da vida de Paulo a nos contentar com toda a situação, mesmo as mais adversas. Somos chamados a esperar e descansar em Deus, pois Ele nos fortalece em todas as situações, em tudo.

O desafio: Sejam inabaláveis na obra do SENHOR.

EM TERCEIRO LUGAR

Sendo sempre abundantes na obra do SENHOR:

(Sejamos sempre alegres e estejamos sempre com a motivação correta)

Gostaria aqui de destacar ALEGRIA NO CHAMADO MINISTERIAL.

Em último lugar, nós somos chamados a nos alegrar na obra do SENHOR. Independente das adversidades, das dificuldades, nós somos chamados a nos alegrar na Sua obra. Somos constantemente chamados à alegria em Sua palavra.

Em Filipenses 4:4 nós lemos: “Alegrai-vos sempre no SENHOR; outra vez vos digo: alegrai-vos”. Amados, como nos falta alegria em nossa vida cristã, no nosso dia a dia. Vivemos constante e diariamente cabisbaixos. Não estou aqui pregando que não passaremos por momentos tristes, mas de onde vem a nossa alegria? Então sejamos alegres!

No Salmo 100:2 somos desafiados a servirmos ao SENHOR com alegria, ou seja, não fazermos a obra de maneira relaxada, como um fardo, uma obrigação, mas com alegria.

O Salmo 122:1 diz: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do SENHOR”. Devemos estar alegres toda vez que vamos à sua casa. Não odiarmos o fato que teremos que mais uma vez estar à frente de um trabalho da igreja ou pensar: “nossa, tenho que acordar cedo amanhã para ir para a EBD”, mas acordar alegres e resultantes, pois iremos à casa do no nosso Deus.

O desafio: Sejamos sempre abundantes na obra do SENHOR.

Resumindo: por que devemos ser firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do SENHOR? Porque não é em vão. Porque como já foi dito anteriormente, Paulo aborda em todo o capítulo 15 desta epístola um fato específico: que temos que ter uma convicção firme da nossa ressurreição em Cristo Jesus e uma esperança definida quanto ao nosso futuro e tudo isso são incentivos para o serviço no presente. Em outras palavras Paulo nos diz: SEJAM FIÉIS AO QUE FORAM CHAMADOS A FAZER! FAÇAM VALER A PENA! VIVAM DA MANEIRA QUE DEUS ESPERA!

Para finalizar, gostaria de citar uma ilustração. Eu amo filmes. Se um dia você quiser me dar um presente, tenho três sugestões: filmes, filmes e livros. Eu amo filmes. E tem um em especial que sempre me faz parar e refletir sobre a minha vida e como eu a tenho vivido. O filme se chama: “O RESGATE DO SOLDADO RYAN”. Neste filme, sem querer me estender mais ainda, consta o relatado da saga de um pelotão que é destacado para salvar um soldado específico, pois este havia perdido os seus três irmãos na guerra e o Chefe do Estado-Maior dos EUA manda resgatá-lo e mandá-lo de volta para casa, para conservar o legado da sua família. Este história se desenrola em plena 2ª Guerra Mundial, após o Dia D, a famosa invasão à Normandia, na França, pela praia de Omaha, em 06 de Junho de 1944.

Em meio a este jornada, os soldados que integram este pelotão, passam a questionar como pode vários homens arriscar as suas vidas por apenas um homem. Essa é uma das questões-chave do filme. Alguns morrem pelo caminho até que acham o soldado Ryan. Ele é comunicado sobre a morte de todos os seus irmãos e lhe é avisado que ele irá para casa. Ele pára, reflete por um tempo e decide que não abandonará seus amigos, que agora passaram a ser sua família, seus irmãos, e que permaneceria em seu posto. O posto em questão é uma ponte, uma ponte estratégica para o fracasso alemão. O Capitão do Pelotão de resgate, Capt. John Miller, decide ficar e ajudá-los a proteger a ponte. Pulando pra cena em questão, eles protegem a ponte com as suas vidas e praticamente todos do pelotão de resgate morrem. Perto de morrer, em meio ao vôo salvador dos P-51, os cadilac´s do Céu, o Capitão puxa o soldado Ryan para perto dele e diz: FAÇA POR MERECER... FAÇA VALER A PENA!

Muitos anos se passam e lá está o soldado Ryan aos pés do túmulo do Capitão Miller. Ele olhando para a lápide diz: "Sempre imaginei como seria voltar aqui. Tentei viver a minha vida o melhor que eu pude. Espero que tenha sido suficiente. Pelo menos diante de seus olhos, espero ter sido digno de tudo que fizeram por mim". Sua esposa se aproxima dele, ele olha pra ela e pede: "Diga, diga eu que tive uma vida digna. Que sou um bom homem". Ela olha para o túmulo, volta seus olhos para o marido e com ternura coloca a mão no seu rosto e diz: "sim, você é". Ele olha para o túmulo daquele Capitão certo de que fez por merecer, ele fez valer à pena!

Jesus Cristo deu a Sua vida naquela cruz pelos nossos pecados. Para que hoje pudéssemos ter livre acesso à presença de Deus e a vida eterna; chamou-nos para proclamar as boas-novas, mesmo nós sendo pecadores, fracos e Ele nos diz: FAÇAM POR MERECER, FAÇAM VALER A PENA!

A minha oração é que quando chegarmos diante de Deus, para prestarmos conta de tudo que Ele nos colocou como propósito, como missão, de tudo aquilo que fomos separados e chamados a fazer, nós possamos responder: TENTEI VIVER A MINHA VIDA CRISTÃ E O CHAMADO QUE FOI COLOCADO PRA MIM DA MELHOR FORMA QUE EU PUDE. ESPERO QUE TENHA SIDO SUFICIENTE. PELO MENOS DIANTE DOS SEUS OLHOS SENHOR, EU ESPERO TER SIDO DIGNO DA VOCAÇÃO QUE FOI CONFIADA A MIM.

Que o nosso Bom Deus continue a nos abençoar, capacitar, nos ungir e nos usar, no desafio de sermos verdadeiros discípulos, hoje e sempre, cada dia mais.

AMÉM!

05 agosto 2008

Maravilhosa Graça


“De fato, no devido tempo, quando ainda éramos fracos, Cristo morreu pelos ímpios. Dificilmente haverá alguém que morra por um justo, embora pelo homem bom talvez alguém tenha coragem de morrer. Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores.”
(Romanos 5:6-8 NVI)

Depois de mais de um mês, estamos de volta.

Durante todo este tempo, tive o privilégio de meditar e refletir sobre a Maravilhosa Graça de Deus. Sobre como, sendo nós ainda pecadores, fracos, Deus ao Seu tempo provou, demonstrou o Seu amor para conosco, mandando Seu Filho Jesus Cristo à cruz morrer pelos nossos pecados. Não por algo que poderíamos oferecer ou dar, mas pelo Seu amor e graça, que não podem ser mensurados.

No versículo 8, vemos na versão RA (Revista e Atualizada) a expressão “Mas Deus prova”, enquanto na versão citada acima vemos: “Mas Deus demonstra”. No texto original, para estas palavras “prova” e “demonstra”, nós temos a palavra sünistêsin ou synistêsin, que quer dizer “pôr junto” que pode ser traduzido por “provar”, “mostrar”, “comprovar”, “confirmar”. Mas também tem outro sentido, que é o de “apresentar” que pode ser traduzido por “recomendar uma pessoa à outra” ou “pôr uma pessoa lado a lado com a outra” ou até mesmo “apresentar uma pessoa a outra”.

Explicando de uma maneira simples?

Somos pecadores, totalmente depravados, mortos em nossos delitos e pecados. É nesta condição que somos amados por Deus, é nesta condição que Cristo morreu por nós (v.6), não por causa daquilo que éramos e nem muito menos podíamos dar pra Ele, mas por causa daquilo em que Ele poderia nos transformar. Ele ao mesmo tempo em que prova o Seu amor para conosco por meio de Jesus, somos também “apresentados” a Deus por meio do Seu Filho. Passamos a ser co-herdeiros e co-participantes do Reino. E isso tudo, quando ainda éramos fracos e pecadores.

Agora entendem o título que escolhi? Maravilhosa Graça!
Em um estudo escrito por Rick Waren em seu site, intitulado de “Maravilhosa Graça”, ele aborda os benefícios desta graça, nós lemos:

Nós somos...
Salvos pela graça – Efésios 2:8-9
Perdoados pela graça – Isaías 43:25
Sustentados pela graça – Filipenses 2:13
Curados pela graça – Salmos 147:3
Liberados pela graça – Mateus 11:28-30
Dons dados pela graça – Romanos 12:6
Usados pela graça – Efésios 3:7
Transformados pela graça – Judas 1:24
Amadurecidos pela graça – Romanos 12:2

E Rick Waren nos desafia a vivermos sob a Maravilhosa Graça de Deus. E somos desafiados na Bíblia a viver sob a Maravilhosa Graça de Deus. E hoje eu te desafio a viver sob a Maravilhosa Graça de Deus.

Para encerrar, eu gostaria de citar um hino antigo da Harpa Cristã, intitulado de “O Precioso Sangue”, que diz:

O Precioso Sangue

Oh! que precioso sangue,
Meu Senhor verteu,
Quando, para resgatar-nos,
Padeceu!

Oh! que precioso sangue,
Sangue de Jesus,
Que por nós, foi derramado
Sobre a cruz!

Oh! que precioso sangue,
Sangue remidor!
Sim, com este nos remiste,
Redentor!

Oh! que precioso sangue,
Sangue expiador!
Eis o que da pena livra
O malfeitor!

Oh! que precioso sangue,
Purificador!
Que de toda a mancha lava
O pecador!

Oh! que precioso sangue,
Fala-nos de paz;
Tudo quanto a lei exige,
Satisfaz!

Oh! que precioso sangue.
Por Ele entrarei
Sem receio, na presença
Do meu Rei!

Oh! que precioso sangue,
Do bom Salvador!
Hoje, a todos manifesta
Seu amor!


“Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”. (Romanos 5:8)

Não há nada que você faça ou deixe de fazer que fará Deus te amar mais ou menos. Entenda. Ele já te ama e a prova disso é que mandou Seu Filho Jesus morrer na cruz pelos nossos pecados sendo nós ainda pecadores, fracos. Se por acaso, pela vida que você tem levado você se sente menos amado por Deus ou não merecedor desta Maravilhosa Graça, eu te desafio neste momento a se arrepender e confessar os teus pecados, pois Ele é fiel e justo para perdoar os teus pecados e te purificar de toda injustiça (1ª João 1:9). O melhor amigo do pecado é o silêncio!

Que Deus continue a nos abençoar, capacitar, ungir e usar, de acordo com a Sua vontade, hoje e sempre, cada dia mais, pois foi pra isso que fomos chamados.
Graça e Paz!

18 junho 2008

De Volta pra Ti



Vivemos em uma sociedade onde os valores e conceitos mudam rapidamente. Antigamente roubar, colar na prova, você ser infiel e desleal, você ter vícios e por aí vai, tudo isso era errado. Hoje é aceitável. Se você tem buscado viver uma vida totalmente diferente disso tudo que foi citado, você é careta.

“O quê? Você não cola na escola? Nossa... como você é Mané!”
“Você é fiel e leal ao (a) seu (sua) namorado (a)? Como você é careta!”
“Você não fuma e nem bebe? Como você consegue ser feliz?”
“Você vai esperar até o casamento?” Em que mundo você está?”

Somos bombardeados de todas as formas e por todos os lados. A área mais atacada é a nossa santificação, muitas vezes por meio dos nossos relacionamentos.

Em 1ª João 2:14-17 - NVI nós lemos:

14 Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes, e em vocês a Palavra de Deus permanece e vocês venceram o Maligno.
15 Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.
16 Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo.
17 O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.

Voltando um pouco no texto, em 1ª João 2:1-6 NVI, nós lemos:

01 Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.
02 Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos pecados de todo o mundo.
03 Sabemos que o conhecemos, se obedecemos aos seus mandamentos.
04 Aquele que diz: “Eu o conheço”, mas não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso, e a verdade não está nele.
05 Mas, se alguém obedece à sua palavra, nele verdadeiramente o amor de Deus está aperfeiçoado. Desta forma sabemos que estamos nele:
06 aquele que afirma que permanece nele, deve andar como ele andou.

Essas duas passagens nos fala sobre os perigos do pecado que provêm do mundo e como devemos nos portar: sendo fortes. Que devemos seguir a Sua palavra, como prova de que conhecemos a Deus. Se o conhecemos, guardamos os seus mandamentos. Se permanecemos nEle, andamos como Ele andou.

Existe uma música antiga que diz:
"Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama (2x)
E aquele que me ama será amado por Meu Pai e Eu também O amarei e me manifestarei a ele."

Mas como podemos manter uma vida pura, se não entendemos a dimensão do pecado e a extensão do amor e do perdão de Deus?

Alguns pensam assim em relação ao pecado: São transgressões a uma lei criada por um Deus PUNITIVO E CONTROLADOR que quer mandar na sua criação, nos privando de qualquer diversão... MUITOS PENSAM ASSIM! Estão errados!!!

Sabe o que é pecado?

É tudo aquilo que fazemos, pensamos ou falamos que não agrada a Deus. Por quê? Porque Ele quer nos controlar? Não, porque Ele nos ama e sabe o mal que a decisão de pecar nos fará. Ele é um Deus PUNITIVO, sempre disposto a nos castigar? Não, Ele nos ama, se preocupa conosco e está sempre disposto a perdoar.

É simples assim? É, é simples assim!

Mas é tão difícil viver sem pecar...

É, é muito difícil... Ao contrário do que falam pecar é bom! Para carne ele é maravilhoso... Mas a Bíblia nos diz: “Existem caminhos que aos nossos olhos são maravilhosos, mas que no final são caminhos de MORTE.” (Provérbios 16:25)

Pecar é bom... As conseqüências é que não são tão boas...

Deus se preocupa conosco. Preocupa-Se com as conseqüências das decisões que tomamos. Deus é soberano e Ele sabe quais são os caminhos de morte e qual é o verdadeiro caminho, o caminho que leva à vida: Jesus Cristo.

"Eu sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida; ninguém vem ai pai se não for por mim." (João 14:6)


Você deve estar se perguntando: Como eu posso andar nos caminhos do Senhor, de acordo com a Sua vontade?

No Salmo 119:9-11 - NVI, nós lemos:

09 Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de acordo com a Tua palavra.
10 Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos.
11 Eu guardo no meu coração a Tua palavra para não pecar contra Ti.

Que lições nós podemos tirar aqui?

1ª Lição: Só podemos andar nos caminhos do Senhor, se nós vivermos segundo o que Ele nos ensina na Sua palavra.

2ª Lição: Quando buscamos o Senhor de todo o nosso coração (ler Mateus 6:33), se Ele é a nossa prioridade, há um desejo nosso de não nos desviarmos dos mandamentos de Deus.

3ª Lição: Devemos guardar a palavra de Deus em nosso coração para não pecar contra Ele (memorize versículos-chave sobre santidade e vida cristã).

VOLTANDO AO ASSUNTO “NAMORO”

Acredito que uma igreja sadia baseia-se em famílias bem estruturadas. E para existirem famílias bem estruturadas, é necessário haver santificação no namoro, que é a base para o casamento. Pessoas que colocam Deus como prioridade desde o namoro, conseqüentemente colocam também no casamento e só quem ganha é a igreja. Outro fato importante que precisa ser levado em conta é que se as pessoas não conseguem agir com lealdade, amor e fidelidade no namoro e não sabem se relacionar com pessoas que estão do seu lado, como poderão manter um relacionamento com Deus? O namoro é a base para todo tipo de relacionamento cristão: família, igreja e o relacionamento com Deus.

Mas o que é namoro? Aprendi na minha época de seminarista da Palavra da Vida que é um relacionamento (prefiro compromisso), entre pessoas de sexo oposto, não definitivo, mas que visa o casamento.

Falando novamente em santidade, não existe área mais bombardeada em nossas vidas por satanás do que o namoro. É por meio do namoro que a família é constituída. Famílias bem constituídas geram igrejas sadias.

Ele usa de artimanhas para nos afastar de Deus por meio dessa área. Ele começa a mexer com a nossa santidade, nos fazendo avançar o sinal vermelho. Cria situações para estarmos sozinhos com o namorado ou a namorada. Faz com que pouco a pouco tiremos uma casquinha aqui, outra ali.

Ele faz com que os meninos passem horas e horas no banheiro “tomando banho”... E que as meninas se vistam de forma provocante para chamar a atenção dos meninos...

Faz com que, pouco a pouco seja um caminho sem volta e o sentimento de culpa desapareça, e quando percebemos, estamos tão distantes de Deus...

Com isso vai minando o namoro e destruindo o modelo que Deus tem para a família.

Vivem preocupados, esperando aquele dia chegar... E quando atrasa um pouquinho é sinal de desespero...

Alguém um dia me perguntou onde a Bíblia falava sobre esperar até o casamento. Eu citei algumas passagens como Gênesis 2:24 e 1ª Tessalonicenses 4:3-8 (em outro tópico vou me deter apenas a este assunto), bem como a sua interpretação e concluí a minha exposição com a seguinte pergunta: "Se Deus nos ama, tem o melhor para nós, se preocupa conosco, é Soberano e sabe onde dará cada decisão nossa e a Sua Palavra nos diz que a Sua vontade é boa, perfeita e agradável (Romanos 12:2)... Será que não vale a pena obedecermos ao seu pedido e esperarmos? De abrirmos mão de satisfazer um desejo temporário e viver o resto da nossa vida conjugal de uma forma plena e abençoada por Deus? Sim, vale a pena!!! Sempre vale a pena agradar a Deus!!!"

Deus tem uma vida melhor para você!!! Ele nos chama a ter uma vida abundante, a andarmos de cabeça erguida, sem preocupações ou medo. Então tenho três perguntas para te fazer:

Como está a sua vida nesta área?

De 0 à 10, que nota você daria para a sua vida?

E que nota Deus daria para você?



Deus nos diz em Sua palavra: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e Justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1ª João 1:9)

Ele quer nos dar um novo começo, pois faz nova todas as coisas. Mas uma vez eu pergunto: Como está a sua vida nesta área?


Que Deus continue a nos abençoar e cobrir com a Sua Graça!

08 junho 2008

Em Busca de um Namoro Cristão



Acredito que uma igreja sadia baseia-se em famílias bem estruturadas. E para existirem famílias bem estruturadas, é necessário haver santificação no namoro, que é a base para o casamento. Pessoas que colocam Deus como prioridade desde o namoro, conseqüentemente colocam também no casamento e só quem ganha é a igreja. Outro fato importante que precisa ser levado em conta é que se as pessoas não conseguem agir com lealdade, amor e fidelidade no namoro e não sabem se relacionar com pessoas que estão do seu lado, como poderão manter um relacionamento com Deus? O namoro é a base para todo tipo de relacionamento cristão: família, igreja e o relacionamento com Deus.

Mas o que é namoro? Aprendi na minha época de seminarista da Palavra da Vida que é um relacionamento (prefiro compromisso), entre pessoas de sexo oposto, não definitivo, mas que visa o casamento. Dando uma passeada na net e olhando os vários e-mails que sempre recebo de amigos, sobre diversos assuntos, recebi um muito bom. Segue anexo o texto, que eu acredito que será bastante esclarecedor. Graça e paz!

Os 10 Mandamentos do Namoro Cristão

Namoro é uma fase muito bonita. É definido como o ato de galantear, cortejar, procurar, inspirar, amar a alguém. O namoro cristão, tenha a idade que tiver, deve ser uma convivência afetiva preliminar que amadurece e prepara o casal para o compromisso mais profundo. O contrário disso, longe dos princípios de Deus, pode resultar em uma experiência nociva e traumática. Observe alguns princí­pios que ajudam a manter o seu namoro dentro do ponto de vista bíblico.

1. Não namore por lazer: namoro não é passatempo e o cristão consciente deve encarar o namoro como uma etapa importante e básica para um relacionamento duradouro e feliz. Casamentos sólidos decorrem de namoros bem ajustados.

2. Não se prenda em um jugo desigual (II Coríntios 6:14-18): iniciar um namoro com alguém que não tem temor a Deus e não é uma nova criatura pode resultar em um casamento equivocado. E atenção: mesmo pessoas que freqüentam igrejas evangélicas podem não ser verdadeiros convertidos ou não levarem um relacionamento sadio com Deus.

3. Imponha limites no relacionamento: o namoro moderno, segundo o ponto de vista dos incrédulos, está deformado e nele intimidade sexual ou práticas que levam a uma intimidade cada vez maior são normais, mas o namoro do cristão não deve ser assim, o que nos leva ao próximo mandamento.

4. Diga não ao sexo: Deus criou o sexo para ser praticado entre duas pessoas que se amam e têm entre si um compromisso permanente. É uma bênção para ser desfrutada plenamente dentro do casamento; fora dele é impureza.

5. Promova o diálogo e a comunicação: conversar é essencial, estabeleça uma comunicação constante, franca e direta e não evite conversar sobre qualquer assunto.

6. Cultive o romantismo:
a convivência a dois deve ser marcada por gentileza, cordialidade e romantismo. Isso não é cafona, nem é coisa do passado e traz brilho ao relacionamento.

7. Mantenha a dignidade e o respeito: o namoro equilibrado tem um tratamento recí­proco de dignidade, respeito e valorização. O respeito é imprescindí­vel para um compromisso respeitoso e duradouro. Desrespeito é falta de amor.

8. Pratique a fidelidade: infidelidade no namoro leva à infidelidade no casamento. Fidelidade é um elemento imprescindí­vel em qualquer tipo de relacionamento coerente à vontade de Deus, que abomina a leviandade.

9. Assuma publicamente seu relacionamento: uma pessoa madura e coerente com a vontade de Deus não precisa e nem deve lutar contra seus sentimentos ou escondê-los.

10. Forme um “triângulo amoroso”: namoro realmente cristão só é bom a três: o casal e Deus. Ele deve ser o centro e o objetivo do namoro.
Deixe Deus orientar e consolidar seu namoro. Viva integralmente as bênçãos que Deus tem para você através do namoro. E seja feliz.

“De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra. De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti.” (Salmo 119:9-11 RA)

17 maio 2008

O ATO FINAL

"Vede que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos. E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; porém tudo isto é o princípio das dores. Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome. Nesse tempo, muitos hão de se escandalizar, trair e odiar uns aos outros; levantar-se-ão muitos falsos profetas e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo. E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim."
(Mateus 24:4-14)

Estive durante esta semana que se passou meditando sobre esta passagem acima. Um dos motivos, é que tivemos no seminário uma “discussão” sobre Escatologia e suas várias visões e interpretações. Não quero e nem vou me ater a este assunto, sobre o que vai acontecer com o mundo no final dos tempos, mas em como a igreja têm lhe dado com este assunto e se portado diante das necessidades de um mundo que jaz em trevas e necessita desesperadamente de Jesus. Esse foi o outro motivo e o mais importante.

Revendo no Youtube alguns vídeos (segue em anexo ao final deste artigo), eu me senti despertado a escrever este artigo. Amo demais o João Alexandre e a banda Fruto Sagrado. Por quê? Porque para mim são pessoas que têm sido levantadas por Deus como profetas em nossa nação. E aqui, não falo dos “profetas” que só são portadores de mensagens terapêuticas e de prosperidade, mas falo do profeta que se levanta em seu tempo com o intuito de admoestar, exortar e consolar, que confronta o pecado e chama ao arrependimento.

Na minha época de Banda Levitas, compus uma música que para mim expressa tudo que eu tenho a dizer hoje, e quero. É simples, não chega aos pés das composições como as de João Alexandre ou Fruto Sagrado, mas foram palavras colocadas por Deus em meu coração, surgido através de um descontentamento com coisas que tenho visto na igreja e que eu tenho lido a respeito dela, expressando aqui toda a minha insatisfação com o fato de nós, igreja, vivermos de uma maneira tão passiva em nossa geração, em como temos visto a história passar simplesmente, ao invés de transformá-la, assim como fomos transformados pelo Espírito Santo.


ATO FINAL (SAMUEL RIBEIRO)

Em meio a todo esse caos, dor e sofrimento
vemos profecias bíblicas em pleno cumprimento.
Guerras, união das moedas, doenças, fome e pestes,
seria um grande absurdo se ninguém dissesse!
Que o mundo caminha pro seu Ato Final,
julgamento aguardado separação do bem e do mal,
e o que será que nós estamos fazendo,
pra mudar o quadro nesse exato momento?
Deus nos escolheu, nos deu o chamado
e só por nós seu evangelho será pregado.
Precisamos viver, falar do seu amor
execermos o IDE seja onde for.
E não perdemos tempo com discussões vazias
que não levam a nada, só destroem vidas.
Discutir sobre roupas, doutrinas, dons e batizado?
E falar do seu evangelho sempre fica de lado!
Nós somos as criações de Deus, as suas primícias,
mas entre nós não existe amor, só hipocrisia.
Esquecemos de amar ao próximo, dar-lhe a mão,
o mundo transformou em pedra o nosso coração!
Quem está sendo influenciado, nós ou o mundo?
Era pra sermos os guias, mostrarmos o verdadeiro rumo.
Mas ao invés disso, esquecemos a nossa missão:
Que é de pregar o evangelho a toda e qualquer nação!

O mundo caminha para o seu fim
Deus quer falar com você através de mim
Breve o Ato Final irá começar
o mundo e o que conhecemos irá acabar
Quanto sangue inocente de você será cobrado
Por você não tomar parte, por não ter falado
Esqueça seu irmão, siga a sua vida,
Não são homens que você segue, mas é a Deus que você imita.


João Alexandre: É Proibido Pensar
João Alexandre: Tudo é Vaidade
Fruto Sagrado: Sangue de Abel
Fruto Sagrado: O Que na Verdade Somos
Fruto Sagrado: O Novo Mandamento

07 maio 2008

Uma Vida de Intimidade com Deus - Vol. 2

UMA CHAMADA À SANTIDADE VERDADEIRA

(1ª Pedro 1:16)

Quando começamos a falar sobre intimidade com Deus, no texto anterior, eu citei Daniel, que tomou não só uma, como tomou decisões buscando agradar ao seu Deus e não ao mundo. Ele tomou uma decisão dessa quando adolescente. Tomou outra decisão dessa quando velho. Se lermos todo o livro de Daniel veremos que em tudo o que ele fala, faz, ele buscava agradar a Deus.

Passou-se muito tempo desde a minha última postagem. Este tempo, em muito devido ao meu ministério, ajudou a pensar em que palavras escrever nesta postagem. Poderia eu começar uma série de escritos sobre intimidade com Deus, vários volumes. Seria ótimo, escreveria sobre o mesmo tema, que cá entre nós é uma tema bem vasto, e daria para durante semanas, porque não meses, falar sobre intimidade com Deus. E lembrei que a nossa vida é assim. Temos muito a falar sobre intimidade com Deus e pouco de vida em relação a este assunto. Conversamos em nossas igrejas: "viu a pregação de hoje? Estava ótima... Que linda a sua roupa, comprou onde?" ou talvez: "você viu o meu time hoje? Ninguém vai pará-lo, ganharemos tudo este ano." Quando uma pessoa demonstra passar por problemas, usamos o velho clichê (que é a mais pura verdade, mas para nós tem se tornado a resposta para todos os questionamentos, só que não vivemos dessa forma): "Deus está no controle de todas as coisas, tudo tem o seu devido tempo e propósito, descansa nEle e confia". Isso não quer dizer que vivemos dependendo dEle, só quer dizer que temos uma resposta linda e abrangente, que responde a todos os questionamentos. Não precisamos de clichês, precisamos de vida. Confio totalmente em Deus e sei que Ele é soberano, mas o que estou questionando é o fato de muitos falarem sobre coisas que não vivem. Assim também é com a SANTIDADE.

Na sua 1ª Espístola, Pedro cita Levítico 20:7 dizendo "porque está escrito: sede santos porque Eu Sou Santo", Pedro nos traz a memória a lei do Senhor. Muito se falava da lei nesta época. Muitos viam a lei com uma afronta a graça, e com razão, pois muitos queriam viver da Antiga Aliança, baseada em sacríficos, condicional, quando eles deviam viver sob a Nova Aliança, por meio do sacrifício do Cristo, que era incondicional. E no meio desse "conflito", criou-se uma aversão à lei. Eu particularmente também tinha. Tive por muito tempo até ler o livro: "A ternura dos 10 Mandamentos", de Ron Mehl (Ed. Quadrangular). Via a lei como uma forma de Deus controlar a sua criação, de afastá-los do pecado, pois o pecado os afastava dEle. Era simples na minha cabeça. Ao ler este livro, passei a entender que ao invés de controlar, Deus se preocupa com os seus filhos. Ao invés de leis de um Deus iracundo, controlador e sempre disposto a castigar, eram mandamentos de amor de um pai que é amável, que se preocupa conosco e está sempre disposto a perdoar. Isso é graça. E a lei é uma forma de nos proteger do pecado. Por quê? Porque ao contrário do que se muito prega, pecar não é ruim. Espiritualmente falando claro é devastador, isto nos afasta de Deus e em pecado não podemos ter uma vida de santidade. Mas carnalmente falando é bom. Você fala que se a pessoa pecar ela será castigada duramente por Deus. Aí ele peca e nada acontece com ele. E ele continua a pecar, a pecar... Criaram-se muito mitos pro pecado, quando ao invés disso devíamos ter uma conversa franca com os nossos adolescentes e jovens e dizer: "cuidado, pecado vicia. E se você está longe de Deus, cada vez dá mais vontade de pecar e aquele raio que você acha que vai cair na sua cabeça, nunca cairá..." O pecado traz consequências? Sempre. Algumas vezes são imediatas e visíveis? Nem sempre. Falo isso porque a pior consequência do nosso pecado é entristecer, desagradar a Deus, e muitas vezes estamos insensíveis pra isso.

O que é pecado? É tudo aquilo que falamos, pensamos ou fazemos que desagrada a Deus, que nos afasta dEle. Por quê? Porque Ele é um desmancha prazeres? Não. Porque ele nos ama e se preocupa conosco. Sabe que consequências virão sobre nós, que frutos vamos colher. Ele nos diz: "Meu filho, minha filha, Eu amo você e me preocupo com as suas decisões erradas, pois Eu sei de todas as coisas e sei o que irá recair sobre você."

SANTIDADE JÁ!!! CHEGA DE UMA VIDA SEM OBJETIVOS!!!, tenho vontade de gritar. Quero a todos pulmões usar o clichê: ACORDA!!! HÁ CAMINHOS QUE AOS OLHOS HUMANOS SÃO MARAVILHOSOS, MAS QUE NO FINAL SÃO CAMINHOS DE MORTE!!!!

Sendo simples e grosso?

O AGORA PODE ATÉ SER INTERESSANTE,

MAS O ETERNO É INCOMPARÁVEL...

Para finalizar, em levítico 20:7 e 8, lemos: "Portanto, santificai-vos e sede santos, pois eu sou o SENHOR, vosso Deus. Guardai os meus estatutos e cumpri-os. Eu sou o SENHOR, que vos santifico." Aqui vemos três preciosas lições:

  1. Somos chamados a santidade (v.7) - DEVEMOS SER SANTOS, SEPARADOS POR DEUS E PARA DEUS;
  2. Somos chamados a guardar os estatudos do Senhor e cumprí-los (v.8) - DEVEMOS OBEDIÊNCIA A DEUS E A SUA PALAVRA;
  3. Somos santificados por Deus (v.8) - DEUS SEMPRE TOMA O 1º PASSO, NOS CHAMANDO A SANTIDADE E NOS SANTIFICANDO.

Sejamos então santos, porque Deus é Santo. Que a partir de AGORA, deixemos de viver de clichês e vivamos o que pregamos, pois o ETERNO nos espera.

Que Deus seja louvado. A Ele todo louvor, toda honra e toda glória sejam dadas. Amém!

31 março 2008

Uma Vida de Intimidade com Deus - Vol. 1

UMA VIDA DE ORAÇÃO DIÁRIA E CONSTANTE
(Daniel 6:1-28)

Já havia se passado quase 70 anos desde a decisão de Daniel de “não contaminar-se” (Daniel 1:8), decisão tomada quando ele ainda era um adolescente. Já perto da morte, Daniel ainda permanece fiel diante do Senhor. Mesmo uma ordem dada por Dario, uma ordem irrevogável e passível de pena de morte, Daniel escolhe novamente agradar a Deus e não a homens. Apesar de ter passado tanto tempo, ele ainda vive da mesma forma que vivia quando ainda era jovem, tinha uma vida de oração diária e constante, buscando a Deus em tudo que fazia e em todas as coisas. A decisão de Daniel de não deixar de buscar a Deus, mesmo que por “apenas” um mês, nos ensina muitas coisas.

Primeiramente, nos ensina sobre sermos fiéis com Deus, tendo uma vida com Deus (vv. 10-13). Uma decisão que não muda que não cede as pressões do mundo, da nossa geração. É uma decisão convicta e pública, a vista de todos. Quando temos intimidade com Deus, sabemos que decisões devem ser tomadas.

Em segundo lugar, fala da fidelidade de Deus conosco (vv. 19-23). Deus se agrada que O busquemos e que Ele seja a nossa prioridade (Mateus 6:33). Deus honra os que vivem no centro da Sua vontade e Ele nos livra de toda cilada armada contra nós. Somos protegidos e guardados por Deus. Ele é fiel, se agrada da nossa santificação e nos honra.

Em terceiro e último lugar, vemos que a decisão de Daniel foi uma decisão transformadora, um testemunho poderoso (vv. 25-28). Quando escolhemos agir segundo a vontade de Deus, nos tornamos luz no meio das trevas e contagiamos as pessoas que nos rodeiam e ela é seguida pelos demais. Deus quer somente nos usar como instrumentos de transformação.

Daniel, desde sua mocidade, mantinha viva a determinação dada por Deus ao Seu povo, de orar três vezes ao dia e virado para Jerusalém, a cidade santa. Nem mesmo a ordem de Dario intimidou Daniel, pois ele vai ao seu quarto e continua orando e buscando a Deus da mesma forma e da mesma maneira constante. E ele faz isso de joelhos, em sinal de humildade. Faz de maneira pública, pois deixou a porta e janela do seu quarto abertas. Daniel sabia ao Deus que ele servia e como Ele podia livrá-lo. Muito me parece a certeza que Sadraque, Mesaque e Abede-Nego tinham quando confrontados por Nabucodonosor se Deus podia ou não livra-los das suas mãos, quando não quiserem adorar a estátua erguida por ele: “Ó Nabucodonosor, quanto a isto não necessitamos de te responder. Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste” (Daniel 3:16-18). Lembremos que todas estas decisões começam em Daniel 1:8.

E como tem sido a sua vida? É uma vida de oração diária e constante ou é uma vida de sedentarismo religioso? Até quando vamos continuar a simplesmente viver as nossas vidas como um bater ponto diário e muitas vezes só dominical?


Devemos converter a nossa vontade pecaminosa na “boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Ele espera que tenhamos uma vida de oração diária e uma vida com Ele constante. Quão dispostos estamos para isso?

29 fevereiro 2008

Prosperidade x Abundância


Uma chamada ao Contentamento Verdadeiro

"Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece." (Filipenses 4: 11 - 13)

Antes de qualquer coisa gostaria de falar que não tenho por intenção falar ou atingir igreja ou denominação alguma, mas refletirmos sobre a real situação da nossa igreja hoje. Peço que leia com cuidado. Lembrando todo o texto aqui escrito é um conjunto, então citar partes do texto fora desse contexto é pretexto para confusão ou difamação. Somos corpo de Cristo e assim, devemos viver a unidade. Obrigado.

Hoje já não é segredo que a nossa geração tem levantado duas bandeiras: a da prosperidade material e a da prosperidade “espiritual” (aqui não falo sobre a palavra espiritual no seu real sentido, mas na pseudo-espiritualidade pregada por tantos, por isso as aspas). A primeira diz que se você tem passado por dificuldades financeiras, amorosas ou de saúde, você está vivendo no pecado e assim, afastado de Deus. A segunda diz que se você é batizado pelo Espírito Santo, você obrigatoriamente deve falar em línguas ou interpretá-las, profetizar (e aqui não me refiro ao que a Bíblia nos ensina que é admoestar, consolar e exortar, pois quando os profetas falavam sobre o futuro era prevendo um juízo decorrente do pecado, que por tantas vezes eles foram instrumentos confrontadores de Deus), interpretar sonhos e por aí vai... Se você não tem sido "próspero" em nenhuma dessas duas áreas: cuidado, você corre um grande perigo de não ir ao céu. Eu mesmo, coitado de mim, corro o grande risco de ficar pra trás, pois não "sou próspero" em nenhuma dessas duas áreas. Na primeira, vivo na dependência total de Deus. Sou filho de pastor, sou seminarista (em breve, se Deus assim permitir serei ordenado também pastor), e durante toda a minha infância, adolescência e mocidade, nossa família passou por algumas dificuldades. Mas Deus não nos deixou faltar nada, Ele cuidou de cada pequena coisa, cada pequeno detalhe. Na segunda área, mesmo pregando, cantando e exercendo meu ministério e chamado, por meio de ferramentas que Deus me deu para pregar o Seu evangelho, certa vez questionaram a minha santidade porque não falo em línguas, ou faço "outras coisas". Aí me falaram que eu nunca tinha sido batizado pelo Espírito Santo. Nossa, minha "auto-estima espiritual" ficou no chão. Orei a Deus buscando “os melhores dons” (uma lista bem seleta e específica, defendida e imposta por algumas igrejas) e nada. Me senti péssimo na época, eu tinha apenas 17 anos. Hoje, mais maduro, não só sei que fui batizado pelo Espírito Santo quando eu me converti como sou selado por Ele. Hoje eu sei que existem muitos dons e o corpo de Cristo é marcado pela diversidade dos mesmos (ver 1ª Coríntios 12: 12-31).

O que nos leva a pensar que somos mais ou menos santos pelo o que temos ou pelo o que podemos demonstrar? Desde quando os nossos bens e os nossos “dons” (e coloco os dons entre aspas devido a famosa lista, já citada por mim no primeiro parágrafo) são um sinal de santidade e de como somos usados por Deus. Devemos frutificar isto é certo e os dons servem pra isso, mas a Bíblia não determina quais são mais espirituais ou não, e quando fala, coloca o amor em primeiro lugar, dom que falta a tantas igrejas que se julgam mais santas do que as outras. E desde quando escolhemos quais dons queremos ter? Deus distribui os dons conforme a Sua vontade e como Ele quer nos usar. Alguns dizem, aqui falo dos adeptos da prosperidade “espiritual” (pseudo-espiritual, como já foi explicado no primeiro parágrafo) que se você não ora em línguas, se não profetiza, se não interpreta sonhos ou línguas, você não é batizado pelo Espírito Santo. E dentro dessa linha de prosperidade disso, daquilo, acabamos por pregar idolatria aos bens, aos dons, esquecendo que maior é quem nos dá do que aquilo que nos é dado. Jesus não veio nos trazer uma prosperidade material e nem muito menos “espiritual” (pseudo-espiritual, como já foi explicado no primeiro parágrafo), mas sim uma prosperidade de vida, e vida eterna (aqui cabe o real sentido da palavra espiritual), vida em abundância. Nossa geração padece do mal de que somos aquilo que demonstramos, quando o próprio Jesus adverte chamando os fariseus de sepulcros caiados, pois se preocupavam muito em orar na frente de todos, de demonstrar muitas coisas, eram “os espirituais”, mas eles não viviam e nunca viveram uma vida que agradava a Deus. Não havia amor em seus corações, eles não sabiam o significado de graça, misericórdia e fidelidade com Deus. Não somos e nunca seremos julgados pela quantidade de bens ou pela quantidade de dons que temos, mas em como eles tem sido usados e com que motivação.

Abri minha meditação com Filipenses 4:11-13, eu sei não esqueci. Por muito tempo demorei a entender o que queria dizer “tudo posso naquele que me fortalece”. Hoje, só não entendo como eu vivo esta verdade. Esse texto será versículo-chave que será impresso na minha aliança de casamento: Fp.4.11-13. É uma grande verdade! Deixa eu contar uma história: "Uma vez, um rapaz que namorava uma menina a distância, questionava a Deus porque a ela morava tão longe dele, porque sempre que viajava pra cidade dela e tinha que voltar logo pra sua cidade; porque sempre tinha que falar com ela no celular de forma apressada ou só podia vê-la pela webcam e ouvir a sua voz pelo microfone. Deus me disse: 'por que você não me agradece por tê-la conhecido, por ter condições financeiras de viajar pra sua cidade, telefonar pra ela ou até mesmo vê-la e ouvi-la pelo computador?' Na mesma hora ele agradeceu a Deus e deixou de viver descontente com o que ele não tinha e agradecido por tudo o que tinha, sabendo que foi dado por Deus".

O texto de Filipenses ensinou pra ele, e nos ensina também, a viver o “contentamento verdadeiro”. Devemos nos contentar em toda e qualquer situação, seja de riqueza, ou de pobreza, seja de abundância, ou de escassez, pois devemos confiar em Deus e é Ele que nos fortalece, por isso podemos todas as coisas. Jesus nunca pregou prosperidade material, mas em vivermos de uma maneira satisfeita com o que Deus nos dá e nos adverte de que Deus sabe cada necessidade nossa e quer supri-las, mas devemos colocá-lo em primeiro lugar (Mateus 6: 25-34), e não bens ou dons.

Sobre a tão difundida, e até agora pouco abordada, "Teologia da Prosperidade" (aqui só material), que usam o texto de Deuteronômio 28 totalmente fora do contexto e do propósito, impondo a nós uma mentalidade errada e equivocada de “vida em abundância”, cito e também faço minhas as palavras de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, quando questionados se Deus teria poder para libertá-los, uma vez que estavam sendo julgados e a morte lhes esperava por terem sido fiéis a Deus e não se curvado a estátua que Nabucodonosor levantara, e conscientes de quem era Deus e do que Ele era capaz disseram:

“Ó Nabucodonosor, quanto a isto não necessitamos de te responder. Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste.” (Daniel 3: 16-18)

Eles sabiam que podia estar nos propósitos de Deus não livrá-los, mas não duvidaram Deus e da Sua fidelidade, pois sabiam que Deus estava no controle de todas as coisas e se realmente não fossem livrados por Deus e eles morressem, eles sabiam que Deus não deixaria de ser Deus. Deus permitiu que eles fossem para a fornalha ardente para que a Sua glória fosse manifestada. Eles foram para a fornalha, mas o fogo não queimou um fio de cabelo de nenhum deles.

Como nós vemos a Deus? Será que Ele para nós é maior que as suas bênçãos? Que os seus dons? Será que nos tornamos dependentes do que Ele tem pra nos dá ou simplesmente dependentes dEle?

Chegou a hora de irmos contra a nossa cultura e contra essas duas bandeiras que têm transformado Deus num serviçal e nos transformado em super-heróis, que não passam por dificuldades financeiras, materiais ou físicas, que idolatram seus bens e os seus dons, que esqueceram e têm se esquecido de adorar a Deus.

Parafraseando o Pr. John Piper, digo: “Deus é Deus. Não alguém que vive exclusivamente para dar-nos carros, casa, segurança ou saúde. Oro para que o Brasil seja liberto de teologias que enfatizam a saúde, a riqueza, a prosperidade; para que a Igreja do Senhor seja conhecida por SOFRER por Cristo. Deus é mais glorificado em nós quando estamos mais satisfeitos nEle em meio à dor e pobreza, e não em meio à prosperidade”. Somos chamados a sermos abundantes e não simplesmente “prósperos”. Sou a favor dos dons mesmo não tendo os dons que estão na “lista seleta” daqueles que são “usados por Deus” e sei que Deus honra os seus filhos e servos, não nos deixando passar por necessidades, nunca faltando pão a nossa mesa. Mas sou totalmente contra essas duas bandeiras. Sendo assim, sei que na visão de alguns estou perdido e condenado, espero então que Deus tenha misericórdia de mim nos últimos dias. Graça e paz!

Que Deus continue a nos abençoar, capacitar e usar cada dia mais, hoje e sempre,
do seu irmão em Cristo e parceiro de ministério,

“Porque o Senhor assim nos determinou: Eu te constituí para luz dos gentios, a fim de que sejas para salvação até aos confins da terra.” (Atos 13: 47)