31 dezembro 2008

Descansando em Deus

Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que Ele, em tempo oportuno, vos exalte, lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós.

(1ª Pedro 5:6,7 RA)





Como última postagem desse ano sobre relacionamentos, queria me deter hoje a um relacionamento que é a base para todo e qualquer relacionamento: o relacionamento com Deus.

Nas duas primeiras postagens falei sobre o relacionamento homem e mulher. Na primeira eu falei sobre a magia de acreditar verdadeiramente no amor. Sobre cada estágio, cada passo a ser tomado até o grande dia: o dia do casamento. Na segunda postagem, eu me detive aos três aspectos do amor, às três facetas: amizade, compromisso e desejo.

Nesta terceira postagem, a postagem de hoje, gostaria de me deter a conversamos sobre um relacionamento à três: homem, mulher e Deus. Mas, eu pretendo especificamente tratar de um relacionamento saudável com Deus. O que isso tem a ver com o relacionamento homem e mulher? É simples! Se não temos um relacionamento com Deus de dependência e obediência, não saberemos discernir sobre se o nosso relacionamento é da Sua vontade ou não. Recebi muitos e-mails e pessoas por meio do Messenger me perguntaram quase que a mesma coisa: “como eu sei que o meu namoro é da vontade de Deus?” ou “nós temos as três chamas, isso quer dizer que ela é a pessoa certa pra mim?”

Conversando com uma grande amiga minha, praticamente uma irmã pra mim, nós tivemos uma conversa sobre descansar no Senhor, conversa essa que me inspirou e desafiou a escrever sobre isso. A conversa dizia:

Xxx: Até entender 1ª Pedro 5:7, foi uma longa estrada. Porque praticar é difícil, porque confiar significa se entregar, descansar, estar em paz, tranqüilizar. Porque sabemos quem está no controle.

Sam: Entendo. Sabe, eu tenho uma definição melhor para descansar: dormir com a consciência tranqüila e sem preocupações...

Xxx: É, eu até consigo ficar tranqüila, mas comigo o que acontecia era tentar decidir, sem ter que esperar o momento certo, como se tudo dependesse de uma decisão minha... Dá para entender?

Sam: Entendo. Aí pedimos direção, conselho, opinião de todos: família, amigos, conhecidos, etc. E quando não temos mais nenhuma opção, mais ninguém para perguntarmos ou que nos dê uma resposta satisfatória, procuramos a Deus para saber o que Ele acha, não é isso?

Xxx: Exatamente.

A partir dessa conversa passei a pensar no assunto. Vivemos segundo a perspectiva de 1ª Pedro 5:7? Lançamos sobre Deus as nossas ansiedades, aquilo que nos preocupa? Que nos deixa sem sono? Se não fazemos isso nas nossas decisões mais básicas, imagina em uma das duas decisões mais importantes para o nosso futuro: “quem estará do nosso lado pelo resto das nossas vidas?”
Quando não aprendemos a descansar no Senhor, é entregar por completo tudo o que somos e temos, existe uma possibilidade grande e muito real de nos frustrarmos. Em Mateus 6:33, na versão RA, nós lemos: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Aqui nós lemos um mandamento com promessa. Se buscarmos a Deus em primeiro lugar, todas as outras coisas que precisamos serão conseqüência, inclusive a pessoa certa para termos um compromisso. Se nos agradarmos do Senhor, da Sua vontade, entregarmos o nosso caminho a Ele e confiarmos nEle, Ele colocará em nossos corações os desejos corretos e irá satisfazê-los todos, e tudo o mais Ele fará.

Confesso que escrever, definir é mais fácil do que viver. Por quê? Porque somos auto-suficientes. Tão simples como definir o esperar em Deus, é definir como nós somos. Somos ansiosos. Não conseguimos esperar sem saber “o final do filme”. Não conseguimos deixar Deus no controle das nossas vidas porque queremos que as coisas aconteçam bem rápido. Quer saber? Não é assim que as coisas funcionam. A Bíblia diz: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem.” (Salmo 127:1,2 RA). Não adianta você ficar ansioso, perder o sono por isso, “ir à luta”, “fazer acontece”, porque não é assim que funciona. Deus quer que descansemos nEle, que confiemos. Mas é descansar mesmo, ao ponto de dormir tranqüilo porque sabemos que o nosso Pai amado está cuidando do assunto. Quantas noites de sono nós perdemos pensando, atrás de soluções para os nossos problemas?

Temos dois salmos na nossa Bíblia que nos manuscritos hebraicos é um só salmo. Eles foram escritos pelos Filhos de Coré e fala sobre a verdadeira ansiedade. No Salmo 42, somos desafiados a ansiarmos por Deus assim como a corsa anseia por água, nossa alma deve ansiar por Deus. Que nossas almas devem ter sede do Deus vivo e de estar em Sua presença. Estes dois salmos, 42 e 43, que devem ser lidos como um só salmo, eles tem uma espécie de refrão, como se fosse uma música, um estribilho. Ele aparece no Salmo 42 nos versos 5 e 11 e no Salmo 43 no verso 5. Ele diz assim: “Por que está abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a Ele, meu auxílio e Deus meu.” Esta bela canção de confiança nos chama a não somente esperar em Deus, mas a louvá-lo pelo privilégio de esperar nEle, pois Ele é nosso Deus e o nosso auxílio.

Se não entendemos isso, não adianta passar pela paquera, namoro, noivado e o dia do casamento e nem tão pouco existir as três chamas. Esses são sinais de que a pessoa pode ser a pessoa certa, mas é da boca de Deus que vem a resposta (ver Provérbios 16:1). E como saberemos se não temos intimidade com Deus, uma vida cristã, e nem tão pouco confiamos e descansamos nEle? Como eu disse, as duas maiores decisões da nossa vida são sobre ao lado de quem estaremos o resto das nossas vidas e o que faremos pelo resto das nossas vidas. E Deus quem sabe todas as respostas e quer que confiemos nEle e descansemos na Sua vontade que é boa, perfeita e agradável e não muda (ver Romanos 12:1,2). Precisamos aprender a viver as nossas vidas buscando sempre a vontade do Senhor, porque Ele tem o melhor pra nós, tem as palavras de vida eterna. Não o aceitamos só como Salvador, mas primeiramente como Senhor. Em Lucas 9:23 nós lemos: “Todo aquele que quer vir após mim, negue-se a si mesmo, todos os dias tome a sua cruz e siga-me”. O nosso desafio é confiarmos as nossas vidas na mão do SENHOR, deixarmos de lado as nossas vontades, nossos desejos e decisões, nossas opiniões, e segui-lo, porque Ele é nosso Senhor e Salvador. Se entendemos a importância de colocarmos o nosso relacionamento diante de Deus, de buscá-lo em primeiro lugar e a Sua vontade, o resto é conseqüência. Ele colocará nos nossos corações o tempo, o momento de tomarmos a decisão de nos casarmos. E se aquela pessoa é a pessoa certa ou não. Descansar no Senhor não é delegar uma tarefa, que você confia a uma pessoa e fica prestando contas constantemente, mas é simplesmente repousar em pastos verdejantes, dormir sossegadamente, sabendo que o nosso Paizinho está tomando conta de todas as coisas. Tem coisa melhor do que isso?

RESPONDENDO AS PERGUNTAS DO EMAIL

Antes de postar, passo por email o texto que usarei no blog para que alguns amigos e conhecidos leiam, ou até mesmo colegas de trabalho, para que eles leiam e questionem. Devido às perguntas que recebi por email, achei que deveria respondê-las. Fica a vontade para também me escrever: samuelbribeiro@hotmail.com e terei prazer em responder por email ou por aqui, na próxima postagem.

Tipo assim, como é que tu acha que deva ser o namoro antes de você ter uma resposta de Deus? Tipo você está a fim da menina, ela está a fim de você... Aí como você sabe que é de Deus? Vai ter que orar e tal? Mas e aí, como proceder até saber?

É como eu falava lá em cima, a resposta certa vem dos lábios do Senhor (Provérbios 16:1). Sabemos que o coração do homem é enganoso (Jeremias 17:9) e não podemos confiar nele. Por isso devemos buscar a Deus em oração. Eu considero o período de oração como um pré-namoro e como tal deve se diferenciar do namoro. Muitos oram, buscam a vontade de Deus, mas enquanto isso continuam a alimentar um sentimento já existente. E se der disser não? Você deixará de namorar por causa disso? Já existindo um sentimento e havendo expectativas futuras em relação ao namoro? Acho que é preciso ir com calma. O versículo “não despertes o amor enquanto ele ainda não está pronto” (Cantares 2:7; 3:5; 8:4), não fala apenas do sexo antes do casamento, mas pode ser também interpretado como cativar algo que você não irá suprir. Como dizia a raposa ao Pequeno Príncipe: “você é responsável por aquilo que cativas”. Para não me estender mais, respondo: acho que antes da resposta de Deus deve haver um pré-namoro, um período de oração, primeiramente sozinhos e depois de serem direcionados por Deus, os dois juntos. Enquanto isso evitar alimentar qualquer sentimento. Depois que houver uma resposta clara de Deus, o namoro.

Ainda dentro do mesmo assunto, tipo às vezes também a menina nem está a fim, mas o cara vai falar e passa a rolar um interesse. Você acha certo o cara falar logo ou orar sozinho antes de falar com a menina?

Pois é, como eu comecei a responder lá em cima, acho que o primeiro passo é os dois orarem em separado. E sei que os amigos têm muita boa vontade em unir casais, mas isso muitas vezes atrapalha. Deixa eu explicar. Os amigos dão corda, você e a pessoa pegam corda, ou um dos dois pega, aí você já vai achar que ela ou ele é a pessoa certa pra namorar. Deposita todas as suas fichas nesse relacionamento, mas não sendo vontade de Deus você se frustra. No caso citado na pergunta, a pessoa nem quer, mas acha interessante quando você chega e vê uma possibilidade de namorar ao invés de estar só e vai e topa orar ou até mesmo namorar logo. Resultado: frustração futura. Acho que é legal quando se têm o apoio dos amigos, mas seria melhor depois que Deus já deu uma resposta. E essa “pressão” dos amigos estraga a melhor época do relacionamento: a paquera. Paquerar é notar o outro no meio da multidão. É notar alguém que sempre passou despercebido pra você. Mas se as pessoas pressionam você não a nota, mas mostram pra você. É como aquelas pessoas no aeroporto com uma plaquinha na mão, não tem como não ver. Ou seja? Antes de qualquer pessoa saber, bate um papo com Deus antes. Fala pra Ele o que se passa no seu coração, os seus desejos para com aquela menina, Ele sabe mais quer ouvir de você, e depois pergunta se é da vontade dEle ou não, se dará certo com a pessoa ou não? Entendido? Deus continue a abençoá-lo.

Anne e os olhos azuis
(Autor Desconhecido)

Anne era uma menina doce, adorável, cheia de vida, mas era triste por uma coisa: todas as suas irmãs tinham os olhos azuis, todos na sua casa tinham os olhos azuis, mas ela tinha os olhos castanhos. Todo dia ela perguntava por que não tinha os olhos azuis e sempre chorava. Certo dia, na Escola Bíblica Dominical, aprendeu que quando pedimos algo com fé, Deus ouve a nossa oração e responde. Ela passou o dia na igreja pensando nisso, querendo chegar à sua casa pra falar com Deus. Acabado o culto à noite, tão logo que chegou à sua casa, orou a Deus dizendo: “Paizinho, por favor, me dá os olhos azuis, me dá os olhos azuis...”. E orou assim por muito tempo, com aquela convicção que só criança tem. Orou, orou até pegar no sono...

No outro dia, já acordou gritando pela casa: “eu tenho os olhos azuis, eu tenho os olhos azuis...” e foi correndo para o banheiro olhar no espelho. Quando olhou a surpresa: seus olhos continuavam castanhos. Ela chorou muito e aprendeu outra lição preciosa: Deus não apenas diz SIM, mas também diz NÃO e ESPERE.

A menina Anne cresceu e logo se tornou uma mulher. Ela formou-se em enfermagem e foi à Marrocos, servir como missionária lá. A sua função era simples, mais do que salvar vidas, ela resgatava crianças. Ela se passava por marroquina e comprava as crianças do mercado escravo e lhes dava um lar e uma vida. Muitas crianças dessas seriam vendidas como escravas para trabalhar nas casas ou para serem abusadas. Então Anne lhes dava um lar, uma vida e falava de Jesus pra elas, dando-lhes chance de uma nova vida. Muitas crianças passaram a serem livradas da escravidão e muitas se converteram assim.

Certo dia, uma amiga da Anne lhe perguntou:
- Anne, todos na sua casa têm olhos azuis, mas você tem olhos castanhos, como lida com isso?
Ela respondeu:
- Sabe, já sofri muito por isso. Chorei, me desesperei. Um dia eu simplesmente resolvi aceitar e pronto. Ainda não entendo, mas hoje nem cabe a mim entender. Sou feliz e é isso o que importa.
Sua amiga sorriu e disse:
- Mas se você tivesse os olhos azuis não poderia ser missionária aqui em Marrocos...
Naquele momento Anne entendeu o ESPERE de Deus e que a Sua vontade era boa, perfeita e agradável.

Que Deus continue a nos abençoar e nos dê um ano de 2009 cheio de oportunidades de conhecê-Lo ainda mais, de esperar nEle e ainda louvá-Lo por isso, Deus nosso e auxílio! Até próximo ano!

Um comentário:

Débora Oliveira disse...

Esse post é muito esclarecedor e desafiador também. O grande causador de problemas nessa área é o fato das pessoas sentirem uma imensa vontade de serem amadas e com isso elas insistem em "despertar o amor" e nem se dão conta de que ainda não estão prontos pra isso...
Quero sair do discurso e partir para a prática.

Postar um comentário

"Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e , sim, unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e assim transmita graça aos que ouvem."(Efésios 4:29)