22 fevereiro 2008

"A Visão do Vale"

Antes de contar “A Visão do Vale”, gostaria que você entendesse o contexto. Era bem próximo do final do mês de Junho. Sei bem disso pelo momento que se passava na minha cabeça: meu futuro em 2007. Tínhamos recebido a “bomba” que o seminário do Nordeste iria fechar ao final do ano letivo, naquele fatídico dia 666 (Seis de Julho de 2006), e todos nós alunos nos questionávamos para onde iríamos. Eu, em especial, queria continuar no seminário da Palavra da Vida - Nordeste e, quem sabe, até mesmo trabalhar com a organização. Esses eram os meus planos para 2007. E já estava bem próximo de eu vir em Fortaleza, para conversar com a minha igreja e saber como seria em 2007. Tinha também o fato, que havia pouco tempo que eu tinha saído de um relacionamento longo, que beirou o casamento. E tudo isso me veio à cabeça naquela manhã. Passado, presente e futuro... Agora entendido o contexto, vamos à história.

Era uma manhã fria na Palavra da Vida – Nordeste, por volta de 6:30hs. E por ser tão cedo, estava ainda mais frio. Estou sentado em frente ao vale, tão conhecido daqueles que já tiveram o privilégio de estar naquele local tão abençoado, fazendo a minha hora silenciosa. Naquele momento nem estava tão preso ao texto e passei a questionar algumas coisas de Deus, não murmurando, mas me quebrantando diante do Senhor. Lembro de uma pergunta clara que eu fiz pra Deus: “O que o Senhor quer de mim? O que o Senhor tem pra mim? Tudo que eu pensava que era a Sua vontade para mim, cada plano, cada projeto que eu tinha pra minha vida se frustrou. Sempre achei que tivesse um chamado pastoral, mas até isso hoje eu tenho dúvida. O que queres de mim?”

Como eu estava dizendo, era uma manhã muito fria na Palavra da Vida, e era muito comum uma névoa, uma densa neblina. Algumas manhãs nem reparávamos, em outras não tinha como não reparar. Nesta manhã dava para reparar muito. O vale estava todo coberto de uma neblina incessante. Eu nem conseguia ver o vale. Acho que mesmo que não houvesse neblina não iria ver, de tão absorto que estava em meus pensamentos e questionamentos. Foi quando Deus me perguntou se eu conseguia ver o vale e eu respondi que não. Ele continuou a trabalhar na minha vida perguntando se o vale tinha saído de lá, e já entendendo o que Deus tinha pra me ensinar, ri e disse que não. Aí Deus me disse: “Tão certo como chegará o sol e a neblina será dispersa, e o vale será visto, no Meu tempo e dentro da Minha vontade, e não da sua, trarei luz para onde há neblina e ela se dissipará, mostrando tudo que Eu tenho para a sua vida.”

Hoje, anos depois, vejo claramente o que Deus tem pra minha vida. Meses depois desse “divã” com Deus, foi convidado para a igreja que hoje eu me encontro. Tenho expectativa e esperança em planos, não mais meus, mas de acordo com a vontade de Deus. Ele nos diz na Sua palavra, que se O buscarmos em 1º lugar nas nossas vidas, se Ele for a nossa prioridade, tudo o mais que precisamos nos será acrescentado (Mateus 6:33). Vemos no Salmo 37, versos 4 e 5 que lemos: “Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará.”

Descobri naquela manhã que eu já tinha aceitado a Jesus como meu Salvador pessoal, mas tinha dificuldade de aceitar Seu senhorio sobre a minha vida. Que quando me agrado do Senhor, da Sua vontade, os desejos que estarão no meu coração estarão alinhados à Sua soberana vontade, logo, Ele irá satisfazer cada um deles, ao Seu tempo. Agora vivo a experiência maravilhosa de dia após dia depender única e exclusivamente de Deus, de esquecer o que eu quero, esquecer as minhas vontades e viver no centro da vontade de Deus. Não há melhor lugar para se estar. Afinal, Sua vontade é boa, perfeita e agradável.