03 maio 2011

Conhecendo o Bom Pastor do Salmo

Salmo 23

“Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque Tu estás comigo; a Tua vara e o Teu cajado me consolam”. (Salmo 23:4)

Que melhor Salmo para abrirmos a nossa série “Meus Salmos Prediletos”, com a Pérola dos Salmos, o Salmo 23. Poderia começar com o Salmo 1, que seria o mais correto, pois este Salmo é comparado ao prefácio de um livro, já que ele abre com chave de ouro o Livro de Salmos. Mas nada melhor do que abrir essa série com o Salmo do Bom Pastor. Pois quando passamos a conhecer o Bom Pastor desse Salmo, todos os outros serão muito bem compreendidos.

Davi mais do que ninguém sabia o que era ser um bom pastor. Ele arriscava a sua vida pelas ovelhas, se assim fosse necessário. Ele sabia o que era prover proteção, cuidado, alimento, o que era pensar em cada necessidade da ovelha, porque antes de qualquer coisa, seu ofício era de pastor de ovelhas. E ainda mais, ele conhecia o Pastor dos Pastores, o Bom Pastor que cuida do Seu Rebanho, provendo cada necessidade; sabia que este Pastor não deixaria nada lhe faltar. E é assim que ele abre este Salmo: “O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”, (v.1). Ou como diz em uma versão: O Senhor é o meu Pastor e Ele não me faltará. Davi sabia exatamente sobre o que estava falando, porque ele tinha aprendido na pele a ser guardado pelo Bom Pastor do Salmo, o conhecia pelo nome. Ele buscava ser o melhor pastor possível para o rebanho do seu pai Jessé, mesmo que precisasse enfrentar leões e ursos (1ª Samuel 17:34-37), mas ainda não seria nada diante do cuidado que o Bom Pastor tinha pela sua vida. Ele conhecia este Pastor. Então nossa primeira lição é: precisamos conhecer o Bom Pastor, ter intimidade com Ele, a ponto de chama-lo de MEU PASTOR, sabendo que Ele e nem nada nos faltará. Isso nos leva a nossa segunda lição: CONFIANÇA.

Nos versículo 2 ao 4, vemos claramente essa confiança no Bom Pastor. Quando Davi nos transporta à um cenário muito bonito: pastos verdejantes e águas de descanso. Para uma ovelha, esse era o melhor cenário a se pensar, a querer estar. O salmista diz que o Bom Pastor o leva a este pasto verdejante, não só para se alimentar, nem para saciar a sua cede nas águas dele pasto, mas para nos fazer repousar e descansar. Isso causa refrigério à sua alma. Não apenas isso, o Bom Pastor o conduziria pelas veredas da justiça, não porque a ovelha merecia, mas por amor do Seu nome, da Sua reputação. Se algo acontece ou não à alguma ovelha, será de total responsabilidade dEle. Vemos aqui também a FIDELIDADE do Bom Pastor. O cenário muda de maneira brusca para o Vale da Sombra da Morte. Não havia pior local pra se passar com ovelhas do que um vale. Só tinha uma entrada e uma saída, nenhum refúgio, nem local pra correr. Se algum animal fizesse uma armadilha pela frente e por trás, o rebanho poderia ser dizimado, junto com o seu pastor. Mas mesmo em uma situação como essa, desesperadora, o salmista não teme, porque o Bom Pastor está com ele mesmo naquela situação. Temos aqui PROTEÇÃO: “ainda que eu ande pelo Vale da Sombra da Morte, eu não temerei, porque Tu estás comigo”. Mas não só isso, temos também ENSINAMENTO e LIVRAMENTO: “a Tua vara e o Teu cajado me consolam”. A função da vara do pastor é corrigir a ovelha que está indo na rota errada e do seu cajado é puxar de volta ao rebanho a ovelha que tentar se desgarrar, evitando que caia em algum precipício ou resgatar aquela ovelha que caiu em algum buraco. Como não confiar num Pastor que faz tantas coisas pelo rebanho? A nossa segunda lição é: precisamos confiar no Bom Pastor, por tudo o que Ele fez, faz e fará nas nossas vidas.

Por último, temos os versos 5 e 6. Aqui não há mais a ilustração de um rebanho e das dificuldades que uma ovelha poderia passar, mas ainda temos a presença do Bom Pastor e a confiança nEle. Vemos o salmista expressar uma convicção em uma esperança que está por vir. Esses dois versículos nos transportam à um banquete, onde mesmo havendo a presença dos nossos inimigos, eles não nos tocarão e além disso, nosso cálice transbordará. Onde somos honrados, tento as nossas cabeças ungidas com óleo. Uma mesa preparada pelo Bom Pastor, onde seremos recompensados por CONHECÊ-LO, CONFIAR EM NELE E ESPERAR NELE. Mas seremos mais ovelhas pastoreadas por Ele, mas convidados especiais para uma ilustre festa. O salmista também nos lembra, nos deixa confiantes e esperançosos que a BONDADE e a MISERICÓRDIA do Bom Pastor certamente irá no seguir, todos os dias da nossa vida e que teremos o privilégio de habitar na Casa do Senhor para todo sempre! A terceira e última lição é: nós devemos ter esperança no Bom Pastor, pois Ele é fiel, e algo muito especial está preparado pra nós. Ele nos deixou ou nos deixa faltar alguma coisa? Acredito que não.

Para finalizar, conheço uma história que é contada de várias formas, então contarei da forma que eu aprendi. “Houve uma competição em uma igreja, para ver quem melhor recitava textos bíblicos. Vários candidatos estavam escritos, e um por um foi lá na frente e citaram de maneira correta os textos bíblicos que eles memorizavam. Um jovem se levantou, foi lá na frente e com uma voz muito bonita, boa dicção, ele fala o Salmo 23 de maneira tão bela que, ao terminar, todos se levantaram e o aplaudiram de pé. Já havia no meio deles um sentimento que eles já tinham um vencedor. Outras pessoas foram indo lá na frente, já meio desanimados, pois o público lá presente não respondia à mesma forma com que trataram aquele jovem. Já no final, um senhor de idade, perto dos seus 80 anos, foi lá na frente pra também recitar o Salmo 23. Todos ficaram se olhando, porque nenhum texto havia sido repetido, imagina o texto que já havia dado o prêmio de maneira antecipada àquele jovem. “Por que ele resolveu insistir neste texto”, todos se perguntavam. Então, aquele senhor, começa a declamar de maneira muito amorosa o Salmo 23. Palavra por palavra, versículo por versículo, iam sendo ditos de maneira muito verdadeira, levando ao final do Salmo o público ali presente às lágrimas. O pastor daquela igreja se levanta ao final, pega o troféu daquele torneio e entrega aquele senhor, pois enquanto aquele jovem conhecia o Salmo do Bom Pastor, aquele senhor conhecia o Bom Pastor do Salmo”.

Será que conhecemos mesmo o Bom Pastor do Salmo? Será que confiamos nEle? Será que a nossa Esperança está neste Bom Pastor? Será que ao nos encontrarmos diante da situação da figura deste post, iremos também dormir tranquilos, mesmo em meio a um mar cheio de tubarões? Conheça o Bom Pastor, confie e coloque a sua Esperança nEle, e eu garanto que Ele não te faltará! Que Ele te abençoe!

4 comentários:

Ana Raquel disse...

Fiquei de fazer o comentário e o que eu posso dizer é que li novamente o texto e como a palavra de Deus se renova a cada manhã Deus falou grandemente comigo na 2ª leitura. Que Deus te abencoe e te use cada vez mais.

Anônimo disse...

Samu,

Que bom que seu pai melhorou.
Espero que vc esteja bem.
Luz sempre!
E paz.

:)God bless u.

o tempo e a igreja "reflexões Reformadas" disse...

Ótima postagem, esta de parabéns!!!

Estarei seguindo seu blog.

Mima disse...

Importantes lições! Que encontremos descanso no Senhor, que aprendamos a reconhecer a sua voz e, nela, encontrar o sustento suficiente para nossa vida. Que conheçamos o nosso Bom Pastor, amado de nossa alma.. que estejamos seguros em seu rebanho. Amém.

Postar um comentário

"Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e , sim, unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e assim transmita graça aos que ouvem."(Efésios 4:29)